Raízes é uma revista de livre acesso, publicada ininterruptamente desde 1982, que surgiu como  uma publicação conjunta dos Mestrados em Economia Rural e em Sociologia Rural, ambos pertencentes ao Campus II da Universidade Federal da Paraíba, hoje Universidade Federal de Campina Grande. Naquela época, o periódico refletia, de um lado, o dinamismo dos estudos rurais no Brasil e na América Latina, a partir dos investimentos de pesquisa dos docentes que passaram pelos programas acima citados; e, de outro lado,  dava visibilidade aos debates informados pela pesquisa militante e engajada, característica marcante dos estudos rurais. Entre esses temas destacam-se: Agroindústria, Cooperativas e Grande Produção; Diferenciação da Pequena Produção na Agricultura; Estado e Agricultura; Movimentos Sociais no Campo, com ênfase para o sindicalismo rural e a luta pela terra. Mais tarde, já em meados da década de 1980, a revista passa a incorporar outras temáticas, sempre informada pelos acontecimentos candentes nos diferentes espaços rurais do Brasil Os temas e questões que povoaram os artigos publicados eram então: Agricultura de subsistência ou agricultura de baixa renda; Estado e agricultura, com ênfase em políticas agrícolas; Campesinato e mão-de-obra familiar; Trabalho e Trabalhadores rurais; Estrutura agrária e reforma agrária, migrações e colonização rural; Cooperativismo rural; Assistência técnica, inovação e transferência de tecnologias; Questões ambientais e políticas públicas para o semiárido. Chega-se aos anos 2000, período de intensas mudanças na cena social, política e econômica do Brasil, e em decorrência delas  constata-se uma maior produção em torno de processos e dinâmicas que aproximam cada vez mais o campo e a cidade, as interfaces e os trânsitos econômicos, culturais na perspectiva de uma sociedade globalizada, assim como a pauta dos direitos sociais e do reconhecimento de diferentes grupos sociais (seringueiros, ribeirinhos, sem-terra, agricultores familiares, quilombolas, ciganos, atingidos por barragens, povos da floresta, jovens, mulheres, negros, entre outros)  como cidadãos.  A linha editorial da revista Raízes também precisou mudar, passando então a acolher temas como: ecologia política, políticas públicas e desenvolvimento rural, ruralidades contemporâneas, desenvolvimento territorial, questões agrária e fundiária, movimentos sociais e ambientais. É importante destacar que nesses quase 40 anos de existência, a Revista atravessou crises e enfrentou desafios, encontrando na oportunidade de lançar dossiês e edições comemorativas, em parceria com pesquisadores alinhados ao seu repertório temático a alternativa para superar entraves, como a periodicidade, a necessidade de internacionalização, a indexação e a publicação online. Neste período, a revista recebeu o apoio decisivo de professores/pesquisadores que dedicaram parte do seu tempo de vida, pessoal e acadêmica, ao empreendimento de facilitar o acesso ao conhecimento, através da publicação de artigos, resenhas, relatórios de pesquisa, tradução de entrevistas, etc. Lembramos especialmente das contribuições decisivas das professoras e dos professores dos mestrados acima citados, assim como das instituições de pesquisa do Brasil e da França, que ajudaram de maneiras diversas na edificação desse periódico, que se tornou um patrimônio repositório dos estudos rurais.