Relação entre ecoformação e ecologização da agricultura familiar

Conteúdo Principal do Artigo

Julio Carlos Bittencourt Veiga Silva
Alfio Brandenburg
Claire Lamine

Resumo

Este artigo tem objetivo analisar os modos de construção do conhecimento e suas relações com os processos de ecologização. Baseia-se em uma pesquisa com agricultores familiares paranaenses, onde foi utilizado o método MESMIS de avaliação de indicadores de sustentabilidade, e evidencia que os processos de ecoformação, juntamente com os processos mais tradicionais de heteroformação, promovem uma ecologização mais consistente das práticas agrícolas dos agricultores familiares. De fato, esses processos de ecoformação permitem que uma visão ampla de mudança seja formada, isto é, não apenas de mudanças relacionadas com práticas técnicas, mas também de uma ecologização da organização da produção familiar, incluindo a vida desses agricultores. O reforço ao longo do tempo dessa visão ampliada de mudança reduz o risco de retrocesso em práticas técnicas, ou mesmo de estilos de vida, tornando as transições ecológicas mais consistentes.

Detalhes do artigo

Como Citar
Silva, J. C. B. V., Brandenburg, A., & Lamine, C. (2019). Relação entre ecoformação e ecologização da agricultura familiar. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 39(2), 313-329. https://doi.org/10.37370/raizes.2019.v39.112
Seção
Artigos

Referências

ALTIERI, M. A. Agroecology: the science of sustainable agriculture. Boulder: Westview Press, 1995.
ANCEY, V.; AVELANGE, I.; DEDIEU, B. (Eds.). Agir en situation d'incertitude en agriculture: regards pluridisciplinaires au Nord et au Sud. Bruxelas: PIE-Peter Lang, 2013, 422 p.
BOFF, L. A opção-Terra: a solução para a Terra não cai do céu. Rio de Janeiro: Record, 2009.
BRANDENBURG, A. Do rural tradicional ao rural socioambiental. Ambiente & Sociedade, Campinas, v. XIII, n. 2, p. 417- 428, 2010.
CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e extensão rural: contribuições para a promoção do desenvolvimento rural sustentável. Brasília: MDA/SAF/DATER, 2004.
COMPAGNONE, C.; LAMINE, C.; HELLEC, F. Propositions techniques et dynamiques de changement des agriculteurs. In: RICCI, P.; BUI, S.; LAMINE, C. (Eds.). Repenser la protection des cultures: Innovations et transitions. Dijon/Paris: Educagri et Quae, p. 101 -128, 2011.
FREIRE, P. Conscientização, teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Moraes, 1980.
GALVANI, P. A. Autoformação, uma perspectiva transpessoal, transdisciplinar e transcultural. In: Educação e transdisciplinaridade II. São Paulo: Triom/UNESCO, 2002.
GLIESSMAN, S. R. Agroecology: ecological process in sustainable agriculture. Michigan: Ann Arbor Press, 1998.
LAMINE, C.; PERROT, N. Trajectoires d’installation, de conversion et de maintien en agriculture biologique: étude sociologique. Inra Ecodéveloppement, 2006, 69 p.
LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis: Vozes, 2001.
MASERA, O.; ASTIER, M.; RIDAURA, S. L. Sustentabilidad y manejo de recursos naturales, El marco de evaluación MESMIS. México: Mundi-Prensa, 1999.
MONEYRON, A. Transhumance et éco-savoir. Reconnaissance des alternances écoformatives. Paris: L’Harmattan, 2003.
MONEYRON, A.; BLOUET, A. Ecosavoir et formation experientielle dans les metiers de l’agriculture. In: PINEAU, G.; BACHELART, D.; COTTEREAU, D. (Eds.) Habiter la terre. Écoformation terrestre pour une conscience planétaire. Paris: L’Harmattan, 2005.
MORAES, C. A formação do educador a partir da complexidade e da transdisciplinaridade. Diálogo Educ., Curitiba, v. 7, n. 22, p. 13-38, 2007.
______. (Ed.). Transdisciplinaridade e ecoformação: um novo olhar sobre a educação. São Paulo: TRIOM, 2008.
MORIN, E. Éduquer pour l’ère planétaire, la pensée complexe comme méthode d’apprentissage dans l’erreur et l’incertitude humaine. Balland, 2003, 158 p.
PINEAU, G. Formation expérientielle et théorie tripolaire de la formation. In: COURTOIS, B.; PINEAU, G. La formation expérientielle des adultes. Paris: La Documentation Française, 1991, p. 29-40.
SALMONA, M. Les paysans français. Le travail, les métiers, la transmission des savoirs, Paris: L’Harmattan, 1994, 371 p.
SILVA, J. C. B. V. Ecologização do agricultor familiar: avançando desde uma transição ecoformadora. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Agrárias, Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento. Curitiba, 2014.
SIMONDON, G. L’individu et sa genèse physico-biologique. Millon, 1995, 280 p.
TOLEDO, V. M. La racionalidade ecológica de la producción campesina. In: SEVILLA GUZMÁN, E.; GONZÁLES DE MOLINA, M. (Eds.) Ecologia, campesinado e historia. Madrid: La Piqueta, 1993.
WARNER, K. D. Agroecology in action, Extending Alternative Agriculture through Social Networks. MIT Press, 2006, 296 p.