Uso da renúncia do uso produtivo da terra em prol da conservação do carbono florestal: um exercício de valoração do custo de oportunidade do desmatamento na Amazônia

Conteúdo do artigo principal

Vanessa da Paixão Alves
https://orcid.org/0000-0002-9376-1022
Marcelo Bentes Diniz
https://orcid.org/0000-0001-7484-9451

Resumo

Este artigo tem por objetivo realizar um estudo de valoração ambiental que consiste em estimar o custo de oportunidade do desmatamento na Amazônia Brasileira. Para tanto, foram calculados os benefícios monetários atribuídos às alternativas de uso produtivo da terra, tanto em termos da produção pecuária como do valor da terra, compondo o Valor de Uso Direto (VUD) da terra. Em contrapartida, estimou-se o benefício líquido da conservação florestal representada pela função ecossistêmica da floresta enquanto reservatório de carbono, refletindo o Valor de Uso Indireto (VUI). A diferença entre o VUI e o VUD, o custo de oportunidade líquido positivo, representa uma estimativa da disposição a pagar pelo benefício social auferido com a conservação florestal. Ademais, foi calculado o Valor Presente Líquido das parcelas de valores de uso, tomando o ano de 2005 como o inicial e o ano de 2030 como o final. Os resultados demonstram que há um custo de oportunidade positivo para a maioria dos estados amazônicos, reforçando a ideia de que o ganho monetário com a conservação é suficiente para compensar o custo de oportunidade do uso produtivo da terra onde ocorre uma grande perda dos benefícios advindos dos serviços ambientais devido ao desmatamento.

Detalhes do artigo

Como Citar
Alves, V. da P. ., & Diniz, M. B. . (2020). Uso da renúncia do uso produtivo da terra em prol da conservação do carbono florestal: : um exercício de valoração do custo de oportunidade do desmatamento na Amazônia. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 40(1), 44–62. https://doi.org/10.37370/raizes.2020.v40.667
Seção
Artigos

Referências

ALENCAR, A. et. al. Desmatamento na Amazônia: indo além da “emergência crônica”. Belém, PA: IPAM, 2004.

ADAMOWICZ, W. L. What’s it worth? An examination of historical trends and future directions in environmental valuation. The Australian Journal of Agricultural and Resource Economics, v. 48, n. 3, p.419-433, 2004. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-8489.2004.00258.x

AZEVEDO, A. A. et al. Limits of Brazil’s Forest Code as a means to end illegal deforestation. PNAS, v. 114, n. 29, p. 7653-7658, 2017.

BARRETO, P.; PEREIRA, R.; ARIMA, E. A pecuária e o desmatamento na Amazônia na era das mudanças climáticas. Belém: Imazon, 2008.

BECKER, B. K. Geopolítica da Amazônia. Estudos Avançados. v. 19, n. 53, p. 71 - 85, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142005000100005

BARBOSA, F. A. et al. Cenários para a Pecuária de Corte Amazônia. 1 ed. Belo Horizonte: Ed. IGC/UFMG, 2015.

CHOMITZ, K. M. et al. Opportunity costs of conservation in a biodiversity hotspot: the case of Southern Bahia. Environment and Development Economics, v. 10, n. 3, p. 293 – 312, 2005. DOI: https://doi.org/10.1017/S1355770X05002081

CCAL. Carbon Calculator Amazon Environmental Research Institute (IPAM). Disponível em http://www.carboncal.org.br/view/ brasil/. Acesso em: 22 jul. 2017.

CARVALHO, W. D. et al. Deforestation control in the Brazilian Amazon: a conservation struggle being lost as agreements and regulations are subverted and bypassed. Perspectives in Ecology and Conservation, v. 17, n. 3, p. 122–130, 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.pecon.2019.06.002

DOMINGUES, M. S.; BERMANN, C. O Arco do desflorestamento na Amazônia: da pecuária à soja. Ambiente & Sociedade. v.15, n. 2, p.1–22, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-753X2012000200002

DINIZ, M. B. Desmatamento e Ausência de Riqueza na Amazônia. Belém: Paka-Tatu, 2017.

DINIZ, M. B.; ALVES, V. DA P.; DINIZ, M. J. T. Is there market failure in Amazonian land use?: an opportunity cost approach to Amazonian environmental services analysis. CEPAL, 2018.

FEARNSIDE, P. M. Desmatamento na Amazônia: dinâmica, impactos e controle. Acta Amazônica, v. 36, n. 3, p. 395 – 400, 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0044-59672006000300018

___________. Business-as-Usual: a resurgence of deforestation in the Brazilian Amazon. Yale School of Forestry & Environmental Studies. April 18, p. 1–5, 2017.

FNP. Anuário da Pecuária Brasileira - ANUALPEC. São Paulo: Agra FNP Consultoria, 2006.

FAO. The State of Food and Agriculture 2010-11. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations, 2011.

GIBBS, H. K., et al. Did ranchers and slaughterhouses respond to zero-deforestation agreements in the Brazilian Amazon? Conservation Letters, v. 9, n. 1, p. 32–42, 2015. DOI: https://doi.org/10.1111/conl.12175

IPEA. Sustentabilidade ambiental no Brasil: biodiversidade, economia e bem-estar humano. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2010.

INPE. Mapeamento da degradação florestal na Amazônia brasileira. Disponível em: <http://www.obt.inpe.br/degrad/>. Acesso em: 4 nov. 2019.

IBGE. Produção Pecuária Municipal. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/ppm/2012/default.shtm>. Acesso em: 13 ago. 2013.

MARKANDYA, A. Environmental economics for sustainable growth: a handbook for practitioners. United Kingdom: World Bank, 2002.

MONTEIRO, M.; COELHO, M. As políticas federais e reconfigurações espaciais na Amazônia. Novos Cadernos NAEA. v. 7, n. 1, p. 91 – 122, 2004. DOI: https://doi.org/10.5801/ncn.v7i1.38

MARGULIS, S. Meio ambiente: aspectos técnicos e econômicos. Rio de Janeiro: IPEA/PNUD, 1990.

MUELLER, C. C. Economia e meio ambiente na perspectiva do mundo industrializado: uma avaliação da economia ambiental neoclássica. São Paulo: Estudos Econômicos, 1996.

______. Os economistas e as relações entre o sistema econômico e o meio ambiente. Brasília: UNB/FINATEC, 2007.

MOUTINHO, P. et al. REDD in Brazil: a focus on the Amazon. Brasília, DF: CGEE, 2011.

MMA. Plano de Ação Para Prevenção e Controle Do Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDAm). Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2015a.

______. Fundamentos para a elaboração da Pretendida Contribuição Nacionalmente Determinada (INDC) do Brasil no contexto do Acordo de Paris sob a UNFCCC. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2015b.

______. ENREDD+: estratégia nacional para redução das emissões proveniente do desmatamento e da degradação florestal, conservação dos estoques de carbono florestal, manejo sustentável de florestais e aumento de estoques de carbono florestal. Brasília: MMA, 2016.

Nogueira, J. M.; Medeiros, M. A. A. Quanto vale aquilo que não tem valor? valor de existência, economia e meio ambiente. Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 16, n. 3, p. 59–83, 1999.

______. Valoração econômica do meio ambiente: aspectos teóricos e operacionais. Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, p. 1-30, 2000.

NASI, R.; WUNDER, S.; CAMPOS, J. J. “Forest Ecosystem Services: can they pay our way out of deforestation?” Costa Rica: CIFOR, 2002.

NEPSTAD, D. et al. The costs and benefits of reducing carbono emissions from deforestation and forest degradation in the Brazilian Amazon. Bali, Indonesia: The Woods Hole Research Center, 2007.

NEPSTAD, D. et al. The end of deforestation in the Brazilian Amazon. Science, v. 326, p. 1350-1351, 2009.

NEPSTAD, D. et al. Slowing Amazon deforestation through public policy and interventions in beef and soy supply chains. Science, v. 344, n. 6188, p. 1118 – 1123, 2014.

ONISHI, C. M.; VAZOLLER, R. F.; REYDON, B. P. Pagamento por serviços ambientais: benefícios locais e globais. Revista DAE, n. 192, p. 6–21, 2014. DOI: https://doi.org/10.4322/dae.2014.108

PAVAN, M. N.; CENAMO, M. C. REDD + nos estados da Amazônia: mapeamento de iniciativas e desafios para integração. 2. ed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2012.

PEARCE, D. W. Environmental economics. New York: Longman Icn., 1976.

PEARCE, D.; ATKINSON, G.; MOURATO, S. Cost-benefit analysis and the environment. Paris: OECD, 2006.

REIS, E. J.; MOTTA, R. S. The application of economic instruments in environmental policy: the Brazilian case. Revista Brasileira de Economia. v. 48, n. 4, p. 551-75, 1994.

RIVERO, S.; ALMEIDA, O; ÁVILA, S; OLIVEIRA, W. Pecuária e desmatamento: uma análise das principais causas diretas do desmatamento na Amazônia. Nova Economia, v. 19, n.1, p. 41–66, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-63512009000100003

REYDON, B. P. O desmatamento da floresta amazônica: causas e soluções. In: Política Ambiental: economia verde, desafios e oportunidades. Belo Horizonte: Conservação Internacional, 2011. p. 143 - 155.

RIVAS, A. (org.). Economia e valoração de serviços ambientais utilizando técnicas de preferências declaradas. Manaus: EDUA, 2014.

RYAN, D. Politics and climate change: exploring the relationship between political parties and climate issues in Latin America. Ambiente & Sociedade, v. 20, n.3, p. 271–86, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-4422asocex0007v2032017

REYDON, B. P.; FERNANDES, V. B.; TELLES, T. S. Land governance as a precondition for decreasing deforestation in the Brazilian Amazon. Land Use Policy, v. 94, p. 1-13, 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/j.landusepol.2019.104313

SUGDEN, R; WILLIAMS, A. The principles of practical cost-benefit analysis. Oxford: Oxford University Press, 1978.

SCHOLES, R.; ASH, N. (ed.). Ecosystems and human well-being: current state and trends, volume 1: findings of the condition and trends working group. Washington, DC: Millenium Ecosystem Assesment, 2005.

SAATCHI, S. S. et al. Distribution of aboveground live biomass in the Amazon basin. Global Change Biology, v. 13, n.4, p. 816–837, 2007. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1365-2486.2007.01323.x

SOARES-FILHO, B. S. et al. Cenários de desmatamento para a Amazônia. Estudos Avançados, v. 9, n. 54, p. 137–52, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142005000200008

SOARES-FILHO, B. S. et al. 2010. Role of Brazilian Amazon protected areas in climate change mitigation. PNAS, v.107, n. 24, p. 10821 - 26, 2010.

TOURNEAU, F. M.; BURSZTYN, M. Assentamentos rurais na Amazônia: contradições entre a política agrária e a política ambiental. Ambiente & Sociedade, v. 13, n.1, p.111-130, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-753X2010000100008

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS - UFG. Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento: Atlas das pastagens brasileiras. Disponível em: < https://pastagem.org/atlas/map>. Acesso em: 15 nov. 2018.

VIOLA, E. Brazilian Climate Policy since 2005: continuity, change and prospective. CEPS, n. 373, 2013.

WUNDER, S. Payments for environmental services: some nuts and bolts. CIFOR Occasional Paper, n. 42, 2005.

WORLD BANK. State and trends of the carbon market. Washington: World Bank, 2006.

WORLD BANK. Estimating the opportunity costs of REDD+. Washington: World Bank Institute, 2011.

YOUNG, C. E. F. Estudos e produção de subsídios técnicos para a construção de uma Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais. Rio de Janeiro: UFRJ, 2016.