O Semiárido do “patriarca” narrativas biográficas na elite pecuarista do Cariri Paraibano

Conteúdo Principal do Artigo

Valdênio Meneses

Resumo




O artigo trata de estratégias que frações elites pecuaristas da região do Cariri da Paraíba dire- cionam junto ao patrimônio material e simbólico das suas fazendas. Em consulta a um acervo de livros de memória e genealogias, além de entrevistas, proponho evidenciar uma narrativa biográfica que circula entre famílias detentoras de centenárias propriedades do Cariri: a exal- tação da figura de “patriarcas”, representantes vivos mais longevos de um sobrenome familiar e acadêmicos respeitados, principalmente pelo conhecimento acerca do fenômeno das secas. A partir de uma literatura sociológica sobre elites e suas estratégias de reconversões sociais pro- ponho, ao final, um debate de como a construção dessas biografias demanda uma revisita ao te- ma da relação política da grande propriedade da terra no semiárido nordestino.




Detalhes do artigo

Como Citar
Meneses, V. (2018). O Semiárido do “patriarca”. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 38(2), 7-22. https://doi.org/10.37370/raizes.2018.v38.5
Seção
Artigos

Referências

ABREU, C. Capítulos de História Colonial (1500-1800). 4 ed. Livraria Briguiet, [1907] 1954. ALBUQUERQUE JR., D. A invenção do Nordeste e outras artes, 5 ed. São Paulo: Cortez, 2011.
ANDRADE, M.C. A terra e o homem no Nordeste: contribuição ao estudo da questão agrária no Nor- deste, 8ed. – São Paulo: Cortez, 2011.
ASSIS BATISTA, F. Movimentos Sociais no campo: o caso do STR de São Sebastião do Umbuzeiro/PB – Trajetória política do dirigente Luiz Silva. João Pessoa: Imprell, 1997.
BACELAR, T. Economia do semiárido: a crise como oportunidade. Revista Coletiva, n.15 jan-abr, 2010.p. 5-19.
BATISTA FILHO, M. (Org.) Viabilização do semiárido nordestino. Recife: Instituto Materno Infantil de Pernambuco, Recife, IMIP, 2001.
BATISTA FILHO, M. Cadernos do semiárido: segurança alimentar e nutricional. BATISTA FILHO, M. (Coord.). CREA-PE, UFPE, 2005.
BATISTA FILHO, M. (Org.) Mãe Sinhá: memórias e lições. Recife: Imprima, 2014.
BOURDIEU.P O capital social: notas provisórias. Classificação, desclassificação, reclassificação. In: NOGUEIRA, M.A; CATANI, A. (Orgs.) Escritos de educação, 15 ed., Petrópolis: Vozes, 2014b, p. 73- 78
BOURDIEU.P. Contradições da herança. In: NOGUEIRA, M.A.; CATANI, A. (Orgs.) Escritos de Edu- cação, 9 ed., Rio de Janeiro: Vozes, 2014, p. 183-193.
BRUNO, R. Agronegócio, Ruralismo e Relações de poder. Rio de Janeiro: Mauad X, Seropédica, RJ, 2009.
BUANAIN, A.; GARCIA, J. Pobreza rural e desenvolvimento no semiárido nordestino: resistência, re- produção e transformação. BUANAIN, A. M; DEDECCA, C. (Orgs.) A nova cara da pobreza rural: de- senvolvimento e questão regional, Brasília, IICA, 2013, p. 217-306.
CAMPOS, J. B. Secas e políticas públicas no semiárido: ideias, pensadores e períodos. Estudos Avança- dos. [online]. 2014, vol.28, n.82, pp.65-88.
COSTA, L.F; TOGNON, M.; SCARPELINE, R. O patrimônio arquivístico de antigas fazendas paulis- tas. Patrimônio e Memória v. 5, n.2, out. 2009. p. 98-113
CUNHA, L.H; GOMES. R. A trajetória da algaroba no semiárido nordestino: dilemas políticos e cien- tíficos. Revista Raízes, V.32, n.1, jan-jun/2012, p. 73-95.
DINIZ, N. Um sertão entre tantos outros. São Paulo (SP): Versal, 2015.
DUQUÉ, G. Estrutura fundiária e pequena produção: um estudo de caso no Cariri Paraibano. Revista Raízes, Campina Grande: Ano IV, n 4-5, jan-dez, 1985, p.168-196.
FAVARETO, A.; ABRAMOVAY, R; OLIVEIRA, M.; DINIZ, J.F; SAES, B. Desenvolvimento territorial em uma região do semiárido brasileiro do Nordeste Brasileiro- para além das transferências de renda. Documento de trabalho no83. Programa Dinâmicas Territoriales Rurales. Rimisp- Centro Latinoameri- cano para o desarollo rural, Santiago, Chile, 2011, p. 1-29.
FERNANDES BATISTA, L. Água, mais água... é a solução para o semiárido? Viabilização. In BATIS- TA FILHO, M. (Org.). Viabilização do semiárido nordestino. Recife: Instituto Materno Infantil de Per- nambuco, 2001, p.32-38.
FERNANDES BATISTA, L.; FERNANDES BATISTA, I.; BATISTA FILHO, M. (Orgs.) Papai: histó- rias & estórias: livro comemorativo do centenário de nascimento de Malaquias Batista Feitosa (1905- 2005). Recife, 2005.
FORMAN, S. The Brazilian Peasantry. New York: Columbia University Press, 1975.
GARCIA JR. Meninos de engenho: tradições e dramas familiares feitos símbolos de brasilidade. An- tropolítica, Niterói, n. 30, 2011, p. 21-47.
GARCIA JR. A. Os vice-reis do Norte: reconversão de elites agrárias e a Revolução de 1930 (1920- 1964). Revista de Ciências Sociais, UFC, v. 38 (02), 2007, p. 74-87.
GLOBO RURAL. (1983) Reportagem na Fazenda Carnaúba. Disponível em: . Acesso em: jan. de 2019.
LANDAL, E.; CRUZ, R.; HIRSCH, A.; PIMENTA, L.; GUIMARÃES, D. Variação geográfica dos mó- dulos fiscais no Brasil, Embrapa, Documentos, 46, 2012.
LEAL, N. S. Nome aos bois: zebus e zebuzeiros em uma pecuária brasileira de elite. São Paulo, Huci- tec, Anpocs, 2016.
MAIA, K.; CUNHA, L.H. Narrativas sobre a grande propriedade pecuária do sertão nordestino: terri- tório da pecuária, do latifúndio e das oligarquias. Revista Raízes, UFCG, V.35, N.2, Jul-Dez, 2015, p. 84-100.
MELUCCI, A. Busca de qualidade, ação social e cultura: por uma sociologia reflexiva. In: MELUCCI, A. (Org.). Por uma sociologia reflexiva: pesquisa qualitativa e cultura. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 25- 42.
MENESES, V. F. Saudade e rusticidade: reconversões sociais e convivência com as secas entre elites pe- cuaristas do Cariri Paraibano. Tese apresentada no Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento Agricultura e Sociedade (CPDA/UFRRJ), Rio de Janeiro, 2018a.
MENESES, V. F. Mestres sertanejos e os santuários das raças nativas: biografias e recursos de po- der entre grandes pecuaristas do Nordeste. Revista da Pós- Ciências Sociais (REPOCS-UFMA). V.15, n.29,2018b, p. 253-278
MOREIRA NETO, M; Outro sertão: fronteiras da convivência com semiárido, Recife: Massangana, 2013.
MOREIRA, E.; TARGINO, I. Capítulos de Geografia Agrária. João Pessoa: Editora Universitária da Pa- raíba, 1997.
MOREIRA, G. A nova cara do sertão: provocações sobre juventude e cultura contemporânea In. FREI- RE, A (Org.) Culturas dos Sertões. Salvador: Edufba. 2014, p. 227-244.
PINÇON, M.; PINÇON-CHARLOT, M. Sociologia da Alta Burguesia. Sociologias. Porto Alegre: Ano 9, n.18, jul./dez 2007, p. 22-37.
RIBEIRO, E. M. Agregados e fazendas no nordeste de Minas Gerais. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, 2010, v.18, n.2, p. 393-433.
SAINT MARTIN, M. Da reprodução às recomposições das elites: as elites administrativas, econômicas e políticas na França. Tomo, Revista do Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, Uni- versidade Federal de Sergipe, 13, jul.-dez, 2008, p. 43-73.
SAINT MARTIN, M Reconversions et reproduction, des stratégies ouvertes. Grand entretien, propos recueillis par C. Poliak et L. Weber, Savoir/Agir, 19, mars, 2012, p. 69-80.
SILVA, M. F. DA. Reforma agrária de mercado ou atualização do clientelismo? O Programa Nacional de Crédito Fundiário e o assentamento de famílias sem terra no Cariri Ocidental Paraibano. ‘ Disser- tação de mestrado apresentada no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), UFCG, Campina Grande, 2012.
SOUZA, B. I.; SUERTEGARAY, D.M; VIANA DA LIMA, E. D (2010) Políticas públicas, uso do solo e desertificação nos Cariris velhos (PB/Brasil). Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias sociales. . XIV, no 311, Barcelona: Universidad de Barcelona, Disponível em: . Acesso em: maio 2018.
SUASSUNA FILHO, J. Memórias e histórias. Recife: Ed. do Autor, 2000.
SUASSUNA, J. (2018) A Joia do semiárido. Disponível em: . Acesso em: jan. 2019.
VILAR FILHO, M. D. Nordeste, salvação só pelo sonho? Ou a, ainda terrível, vizinhança da grande se- ca. Revista Paraíba Tropical, 12 ed, 1979, p. 5-7.
VILAR FILHO, M. D . O sertão frugal e verdadeiro – Crônica de uma convicção In: (Org.) BATISTA FILHO, M. Viabilização do semiárido nordestino. Recife: Instituto Materno Infantil de Pernambuco, IMIP Recife, IMIP, 2001a, p. 38-58.
VILAR FILHO, M. D. O bom começo levou o Guzerá. Revista Agropecuária Tropical, 147 a edição, Fe- vereiro de 2004, p. 11-15.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)