Modernização, mercantilização e olericultura o protagonismo do trabalho familiar

Conteúdo Principal do Artigo

Emilio Romanini Netto
Valdir Frigo Denardin
Valter Roberto Schaffrath

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir o trabalho familiar ao longo das respostas diferenciais aos processos de modernização e mercantilização da olericultura na Região Metropolitana de Curitiba. A  pesquisa parte de estudos sobre a questão agrária e a sociologia rural, com foco na perspectiva de agência dos atores sociais. As ferramentas metodológicas centram-se em dados primários, secundários e em referencial bibliográfico sobre o tema. Os resultados apontam para a reflexão de que o trabalho familiar é o mediador da produção de múltiplos valores além do monetário, constituindo uma dimensão central em direção a práticas mais autônomas e sustentáveis de desenvolvimento rural.

Detalhes do artigo

Como Citar
Romanini Netto, E., Denardin, V. F., & Schaffrath, V. R. (2021). Modernização, mercantilização e olericultura. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 41(1), 114-133. https://doi.org/10.37370/raizes.2021.v41.692
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Emilio Romanini Netto, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Paraná (2013), especialização em Educação do Campo, Agroecologia e Questão Agrária pela Universidade Federal do Pará (2015) e mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Paraná (2020), na linha de pesquisa Ruralidades, Ambiente e Sociedade. Atualmente é doutorando em Meio Ambiente e Desenvolvimento na linha de pesquisa Epistemologia Ambiental e bolsista CAPES da Universidade Federal do Paraná. Compõe parte do corpo editorial da revista Desenvolvimento e Meio Ambiente (UFPR). Tem experiência no trabalho com agricultores familiares, assentados da reforma agrária, escolas de formação em agroecologia e povos e comunidades tradicionais. Atua principalmente nos seguintes temas: agricultura familiar, movimentos sociais, ecologia política, educação do campo e agroecologia. 

Valdir Frigo Denardin, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Maria (1993), mestrado em Economia Rural pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1997) e doutorado em Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2004). Realizou doutorado sanduiche na Universite de Versailles Saint-Quentin-en-Yvelines no C3ED (França) e Pós-Doutorado (2015/2016) no Laboratoire Dynamiques Sociales et Recomposition des Espaces ? LADYSS (Université de Nanterre, França). Atualmente é dedicação exclusiva da Universidade Federal do Paraná - Setor Litoral, participa do Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento - PPGMADE/UFPR e Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial Sustentável - PPGDTS/UFPR. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia Ecológica, atuando principalmente nos seguintes temas: agricultura familiar, desenvolvimento territorial, ecodesenvolvimento e litoral do Paraná

Valter Roberto Schaffrath, Instituto Federal do Paraná

Graduado em Agronomia pela Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC,(1992), Especialista em Educação Profissional com Equivalência a Licenciatura - IFPR, (2016); Mestrado em Agroecossistemas (Área de Sistemas de Produção Agroecológicos) pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, (1997), Doutorado em Agronomia (Área de Solos e nutrição de plantas) pela Universidade Estadual de Maringá - UEM, (2006) e Pós Doutorado em Recursos Naturais e Ambiente no Instituto Superior Técnico da Universidade de Lisboa, Portugal. Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal do Paraná - IFPR, lecionando Bilogia e professor permanente no Programa de Pós Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento, da Universidade Federal do Paraná - MADE/UFPR. Tem experiência no ensino médio técnico, tecnológico, superior e pós graduação, na pesquisa e extensão na área da Agroecologia e biologia aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: sistemas de produção de base ecológica, plantas de cobertura do solo, plantas espontâneas, geoestatística, estudo e ocorrência de insetos na Região Metropolitana de Curitiba

Referências

ABRAMOVAY, R. Paradigmas do capitalismo agrário em questão. São Paulo: Hucitec. 1992.
ALTIERI, M. Agroecologia bases científicas para uma agricultura sustentável. São Paulo: Expressão Popular. 3ª ed. 400p. 2013.
ALTIERI, M., TOLEDO, V. M. The agroecological revolution in Latin America: rescuing nature, ensuring food sovereignty and empowering peasants. Journal of Peasant Studies, v. 38, n. 3, p. 587-612, 2011.
BAUER, M. W.; AARTS, B. A construção do corpus de pesquisa: um princípio para a coleta de dados qualitativos. BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.
BRANDENBURG, A. A colonização do mundo rural e a emergência de novos atores. RURIS-Revista do Centro de Estudos Rurais-UNICAMP, v. 4, n. 1, 2010.
BRANDENBURG, A. Os novos atores da reconstrução do ambiente rural no Brasil: o movimento ecológico na agricultura. Estudos Sociedade e Agricultura, v.19, n. 1, p.126-148, 2011.
BRANDENBURG, A.; RUCINSKI, J.; JUNIOR, P. S. Os novos atores e o consumo de alimentos ecológicos: a associação de consumidores de produtos orgânicos do Paraná–ACOPA. Estudos Sociedade e Agricultura, v. 16, n. 1, p.54-82, 2008.
BUTTEL, F. H. Reflexões sobre a Economia Política Agrária no final do Século XX. Cadernos de Ciência & Tecnologia, v. 18, n. 2, p. 11-36, 2001.
CAZELLA, A. A.; CAPELLESSO, A. J.; MEDEIROS, M.; TECCHIO, A.; SENCÉBÉ, Y.; BÚRIGO, F. L. Políticas públicas de desenvolvimento rural no Brasil: o dilema entre inclusão produtiva e assistência social. Política & Sociedade, v. 15, p. 49-79, 2016.
CANDIDO, A. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação. São Paulo: Livraria Duas Cidades. 4 ed. 1977.
CIDADE JUNIOR, H. A. A agricultura orgânica na região metropolitana de Curitiba: fatores que afetam seu desenvolvimento. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Produção Vegetal), Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 2008.
DAROLT, M. Circuitos curtos de comercialização de alimentos ecológicos: reconectando produtores e consumidores. In: NIEDERLE, P.A. et al., Agroecologia: práticas, mercados e políticas para uma nova agricultura. Curitiba: Kairós, p. 139-170. 2013.
ELLIS, F. Household strategies and rural livelihood diversification. The Journal of Development Studies, v. 35, n.1, p.1-38. 1998.
FAYAD, J.A; ARL, V.; COMIN, J.J.; MAFRA, A.L.; MARCHESI, D. R. Sistema de Plantio Direto de Hortaliças. Epagri: Florianópolis, 2019.
FERREIRA, A. D. D.; BRANDENBURG, A.; CORONA, H. M. P (Orgs). Do rural invisível ao rural que se reconhece: dilemas socioambientais na agricultura familiar. Curitiba: Ed. UFPR, 2012.
FILGUEIRA, F. A. R.; Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3. ed. Viçosa: Ed. UFV, 2007.
FRIEDMANN, H. Simple commodity production and wage labour in the American plains. The Journal of Peasant Studies, v.6, n.1, 71-100, 1978.
GOODMAN, D. E.; SORJ, B.; WILKINSON, J. Agroindústria, políticas públicas e estruturas sociais rurais: análises recentes sobre a agricultura brasileira. Revista de Economia Política, v. 5, n. 4, p. 31-55, 1985.
GRAZIANO DA SILVA, J. A modernização dolorosa: estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
GRAZIANO NETO, F. Questão agrária e ecologia: crítica da moderna agricultura. São Paulo: Brasiliense, 1982.
GRIMM, I. J.; SAMPAIO, C. C.; PROCOPICK. Encadeamento ecossocioeconômico e gestão urbana: um estudo das feiras livres na cidade de Curitiba (PR). Novos Cadernos NAEA, v. 21, n. 1, 2018.
GRISA, C.; SCHNEIDER, S. " Plantar pro gasto": a importância do autoconsumo entre famílias de agricultores do Rio Grande do Sul. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 46, n. 2, p. 481-515, 2008.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Agropecuário 2017: Resultados Preliminares. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017" https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017. Acesso em 13 abr. 2021.
KAGEYAMA, A.; BERGAMASCO, S. M.P. A estrutura da produção no campo em 1980. Perspectivas: Revista de Ciências Sociais, 1989.
LAMARCHE, H. (coord.). A agricultura familiar: comparação internacional. Campinas: Editora da Unicamp, Vol. I, 1993.
LAMARCHE, H. (coord.). A agricultura familiar: comparação internacional. Campinas: Editora da Unicamp, Vol. II, 1998.
LEFF, E. Agroecologia e saber ambiental. Agroecologia e desenvolvimento rural sustentável, v. 3, n. 1, p. 36-51, 2002.
LONG, N. Development sociology: actor perspectives. London: Routledge, 2001.
LONG, N.; PLOEG, J. D. van der. Heterogeneidade, ator e estrutura: para a reconstituição do conceito de estrutura. In: SCHNEIDER, S; GAZOLLA, M. (org.). Os atores do desenvolvimento rural, perspectivas teóricas e práticas sociais. Porto Alegre: Editora da UFRGS, p. 21-48, 2011.
LOPES, V. Emater vai disseminar técnica no Paraná. Folha de Londrina, 20 jul. 2018. Disponível em: https://www.folhadelondrina.com.br/folha-rural/emater-vai-disseminar-tecnica-no-parana-1010944.html. Acesso em 09 mai. 2021.
MALUF, R. S. Mercados agroalimentares e a agricultura familiar no Brasil: agregação de valor, cadeias integradas e circuitos regionais. Ensaios FEE, v. 25, n. 1. 2004. p. 299-322.
MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec. 9. ed. 2006.
NIEDERLE, P. A. Mercantilização, diversidade e estilos de agricultura. Revista Raízes, v. 25, n. 1, p. 37-47, 2006.
NORGAARD, R. B. A base epistemológica da Agroecologia. In: ALTIERI, M. Agroecologia: as bases científicas da agricultura alternativa. Rio de Janeiro: PTA/FASE, p. 42-48, 1989.
PLOEG, J.D. van der. El proceso de trabajo agrícola y la mercantilización. In: GUZMÁN, E.S.; MOLINA, M.G. (Ed.). Ecología, campesinado e historia. Madrid: Las Ediciones de la Piqueta, 1993. p. 153-195.
PLOEG, J.D. van der. Camponeses e Impérios Alimentares. Lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.
PLOEG, J.D. van der. O modo de produção camponês revisitado. In: SCHNEIDER, S. (Org.). A diversidade da agricultura familiar. 2. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2009. p.13-54.
PLOEG, J.D. van der. Camponeses e a arte da agricultura: um manifesto Chayanoviano. São Paulo/Porto Alegre: Editora Unesp/Editora da UFRGS, 2016.
PICOLOTTO, E. L. Os atores da construção da categoria agricultura familiar no Brasil. Revista de economia e sociologia rural, v.52, p. 63-84. 2014.
QUEIROGA, J. L Sistemas agrários: expressão das estratégias de reprodução da agricultura familiar na diversidade da Região Metropolitana de Curitiba In: FERREIRA, A. D. D.; BRANDENBURG, A.; CORONA, H. M. P (Orgs). Do rural invisível ao rural que se reconhece: dilemas socioambientais na agricultura familiar. Curitiba: Ed. UFPR, p. 53-107, 2012.
SABOURIN, E. Camponeses do Brasil: entre a troca mercantil e a reciprocidade. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.
SCHNEIDER, S. Mercados e Agricultura Familiar. In: MARQUES, F.C., CONTERATO, M.A., SCHNEIDER, S. (orgs) Construção de mercados e agricultura familiar: desafios para o desenvolvimento rural. Porto Alegre: UFRGS, p. 93-140. 2016.
SEAB/DERAL. Olericultura - Análise da conjuntura agropecuária safra 2017/2018. Curitiba: Governo do estado do Paraná, Secretaria do Estado da Agricultura e do Abastecimento (SEAB), Departamento de Economia Rural (DERAL), 2018.
SEVILLA GUZMÁN, E.; MOLINA, M. G. Sobre a evolução do conceito de campesinato: um aporte para Via Campesina. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.
SILVA, J. C. B. V.; SANDRI, D. M.; REIS JÚNIOR, J. D. R.; LIZARELLI, P. H.; PASSOS, M. A parceria entre a AOPA/Rede Ecovida e o Instituto Emater no fortalecimento de uma ATER Agroecológica: a experiência da Região de Curitiba-PR. Cadernos de Agroecologia, v.1, n.13, 2018.
SOUZA, O. T.; CORONA, H. M. P.; SOUZA, C. R.; DIAS, J. B.; QUEIROGA, J. L. Políticas de Desenvolvimento Rural, produção e preservação ambiental: diálogo efetivo entre sociedade e natureza ou parasitismo mútuo de linguagem?. Tempo da Ciência, v.15, n. 29, p.147-167. 2008.
TOLEDO, V. M. La racionalidad ecológica de la producción campesina. In: SEVILLA GUZMAN, E.; GONZALEZ DE MOLINA, M. Ecología, campesinado e historia. Madrid: Las Ediciones de la Piqueta. p. 197-218, 1993.
WANDERLEY, M. N. B. A modernização sob o comando da terra: os impasses da agricultura moderna no Brasil. Ideias, v. 3, n. 2, p. 25-54, 1996.
WANDERLEY, M. N. B. A valorização da agricultura familiar e a reivindicação da ruralidade no Brasil. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 2, 2000.
WANDERLEY, M. N. B. Olhares sobre o “rural” brasileiro. Raízes. v. 23, n. 1 e 2, p. 82-98. 2004.