Extrativismo em Sergipe: a vulnerabilidade de um modo de vida?

Conteúdo do artigo principal

Dalva Maria da Mota
https://orcid.org/0000-0003-0027-5162
Emanuel Oliveira Pereira

Resumo




Este artigo discute como as mudanc?as na estrutura produtiva das a?reas litora?neas do Estado de Sergipe influenciam o modo de vida das populac?o?es tradicionais, cujas bases econo?micas esta?o centradas na agricultura de subsiste?ncia, pesca artesanal, artesanato e extrativismo de produtos vegetais e animais. A valorizac?a?o do solo, a especulac?a?o imobilia?ria e a consequ?ente degradac?a?o das a?reas de restinga e manguezal, advindas com as atividades turi?sticas, a expansa?o urbana e a carcinicultura, representam ameac?as para essas populac?o?es e suas estrate?gias de reproduc?a?o social fortemente vinculadas ao meio ambiente e, por isso, vulnera?veis. Ainda discute-se aqui a necessidade da intervenc?a?o pu?blica visando assegurar o acesso das populac?o?es tradicionais aos recursos naturais necessa?rios a? garantia da sua sobrevive?ncia.




Detalhes do artigo

Como Citar
Mota, D. M. da ., & Pereira, E. O. . (2009). Extrativismo em Sergipe:: a vulnerabilidade de um modo de vida?. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 27(1), 71–79. https://doi.org/10.37370/raizes.2008.v27.288
Seção
Artigos

Referências

Ver no arquivo do artigo.