As tramas entrelaçadas da produção e comercialização de cultivos agroecológicos: o caso do Horto Bela Vista, Iperó/SP

Conteúdo Principal do Artigo

Flávio Aparecido Pontes
Vera Lucia Silveira Botta Ferrante
Luis Antonio Barone

Resumo

Este trabalho aborda conjuntamente a produção agroecológica e sua comercialização, com objetivo de verificar em que medida ela interfere na reprodução das famílias assentadas. Utilizamos diferentes técnicas de pesquisa, desde questionários a entrevistas semiestruturadas, também entrevista coletiva com agricultores assentados, pela técnica bola de neve. Identifica-se atores e setores envolvidos e suas contribuições e impactos nas distintas etapas do processo produtivo e de comercialização. Verificou-se uma trama de tensões envolvendo os atores protagonistas deste ciclo de reprodução social.

Detalhes do artigo

Como Citar
Pontes, F. A., Ferrante, V. L. S. B., & Barone, L. A. (2021). As tramas entrelaçadas da produção e comercialização de cultivos agroecológicos: . Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 41(2), 301-322. https://doi.org/10.37370/raizes.2021.v41.729
Seção
Dossiê: Sistemas Agroalimentares Contemporâneos
Biografia do Autor

Flávio Aparecido Pontes, Instituto Federal de São Paulo

Doutor em Desenvolvimento Territorial e Meio Ambiente. Docente do Instituto Federal de São Paulo, Campus de Boituva.

Vera Lucia Silveira Botta Ferrante, Universidade de Araraquara

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP (1966) e doutorado em Sociologia pela UNESP (1974). Defendeu livre docência na UNESP (1992), defendeu concurso de Professor Titular em 1998. Atualmente é coordenadora do Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Territorial e Meio Ambiente e do PIBIC/CNPq/UNIARA da Universidade de Araraquara - UNIARA. Desde julho de 2016 foi designada a exercer a função de Pró-Reitora de Pós-Graduação Stricto Sensu e Pesquisa da Universidade de Araraquara. Em 2009 torna-se Membro Titular Acadêmico da Cátedra da Academia Brasileira de Ciências Econômicas, Políticas e Sociais. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1A. Vice-Presidente da ALASRU (Associação Latinoamericana de Sociologia Rural (2010-2014). Participa da rede de pesquisadores latinoamericanos voltados à discussão das ruralidades e dilemas atuais do mundo agrário. Coordena, desde a década de 1990 o grupo de pesquisa NUPEDOR - Núcleo de Pesquisa e Documentação Rural Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia Rural, atuando principalmente nos seguintes temas: assentamentos rurais e reforma agrária, políticas publicas e lutas sociais.

Luis Antonio Barone, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1989), Mestrado (1995) e Doutorado (2002) em Sociologia, também pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Atualmente é professor adjunto da FCT / Unesp - Campus de Presidente Prudente / SP, desenvolvendo projetos na área de Sociologia, abordando os temas de reformas agrárias, desenvolvimento rural sustentável, educação popular, movimentos sociais e cidadania. Extensão no País Stock Exchange - EXP 3 (CNPq); Diretor Presidente da Rede de Estudos Rurais (2017-2018).

Referências

ABRAMOVAY, R. O futuro das regiões rurais. Porto Alegre: EDUFRGS, 2003.
BALDIN, N.; MUNHOZ, E. M. B. Snowball (bola de neve): uma técnica metodológica para pesquisa em educação ambiental comunitária. In: X Congresso Nacional de Educação. PUCPR: Curitiba, Anais... 07 a 10 de novembro de 2011.
BURG, I. C. As mulheres agricultoras na produção agroecológica e na comercialização em feiras no sudoeste paranaense. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, 2005.
CARRIERI-SOUZA, M. et al. Cadeias produtivas do carvão vegetal na agricultura familiar no sul do Brasil. Revista DeMA, Volume 31, UFPR, Disponível em https://revistas.ufpr.br/made/article/view/34084
COÊLHO, J. D.; PINHEIRO, J. C. V. Grau de organização entre os feirantes e problemas por eles enfrentados nas feiras livres de Cascavel e de Ocara, no Ceará. In: CONGRESSO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL - SOBER, 47, 2009, Porto Alegre: Anais... Porto Alegre: SOBER, 2009.
CSA – BRASIL, CSA é um caminho que proporciona mais sustentabilidade. Disponível em: http://www.csabrasil.org/csa/. Acesso em: março/2020.
DAROLT; M., R., LAMINE; C., BRANDENBURG; A., ALENCAR; M., C., F., ABREU; L., S., Redes alimentares alternativas e novas relações produção-consumo na França e no Brasil, Revista Ambiente & Sociedade, São Paulo v. XIX, n. 2 n p. 1-22 n abr.-jun. 2016.
DUVAL, H. C.; FERRANTE, V. L. S. B.; Autoconsumo e políticas municipais: perspectivas de segurança alimentar e de desenvolvimento, in.; FERRANTE, V. L. S. B.; WHITAKER; D., A., C; FERNANDES; B., M.; Reforma Agrária e Desenvolvimento: desafios e rumos da política de assentamentos rurais, NEAD/UNIARA, São Paulo, 2008.
ESCHER, F. Os assaltos do moinho satânico nos campos e os contramovimentos da Agricultura Familiar: atores sociais, instituições e desenvolvimento rural no Sudoeste do Paraná. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural). Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.
FERRARI, D. Cadeias agroalimentares curtas: a construção social de mercados de qualidade pelos agricultores familiares em Santa Catarina. 2011. 347f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Rural). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Porto Alegre, 2011.
FERRANTE, V. L. S. B.; BARONE, L. A. Parcerias com a cana-de-açúcar: tensões e contradições no desenvolvimento das experiências de assentamentos rurais no Estado de São Paulo. Revista Sociologias, Porto Alegre, ano 13, no. 26. Jan-Abr, 2011.
GIESBRECHT; R., M., Estações Ferroviárias do Brasil: IPERÓ Município de Iperó, SP. Disponível em: https://www.estacoesferroviarias.com.br/i/ipero.htm. Acesso em: maio de 2019.
GUZZATTI, T. C.; SAMPAIO, C. A. C. & TURNES, V. A. Novas relações entre agricultores familiares e consumidores: perspectivas recentes no Brasil e na França. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 16 (3). 363-375, 2014.
GUZMÁN, E.S.; MONTIEL, M.S.; HERNÁNDEZ, D.G.; SÁNCHEZ, I.G.; COLLADO, A.C. Canales Cortos de Comercialización Alimentaria en Andalucia. Instituto de Sociología y Estudos Campesinos. Universidad de Córdoba. Sevilla: Fundación Pública Andaluza Centro de Estudios Andaluces, IFO 14, 2012. 164p.
INCRA- Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, Assentamentos Rurais: modalidades e reconhecimentos, Disponível em: http://www.incra.gov.br/pt/assentamentosmodalidades.html, Acesso em: outubro de 2019.
LASAT – UFPA. Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável do Sudeste do Pará (PTDRS). Laboratório Sócio Agronômico do Tocantins (LASAT). Marabá, PA: UFPA, 2006.
LEAL, L. S. G. ; FILIPAK, A ; DUVAL, H. C. ; FERRAZ, J. M. G. ; FERRANTE;V. L. S. B., Quintais Produtivos Como Espaços Da Agroecologia Desenvolvidos Por Mulheres Rurais. Perspectivas Em Diálogo: Revista de Educação e Sociedade, v. 7, p. 31-54, 2020.
LEAL, L. S. G.; PIZZAIA, L. G. E. ; FERRANTE, V. L. S. B.; A feira de produtos orgânicos e artesanais da roça para a mesa: como espaço de comercialização, socialização e formação. In: VIII Simpósio Reforma Agrária e Questões Rurais. Terra, Trabalho e Lutas no Século XXI: Projetos em Disputa, 2018, Araraquara. VIII Simpósio de Reforma Agrária e Questões Rurais - Terra Trabalho e Lutas do Século XXI: Projetos em disputa, 2018.
MARONHAS M.; SCHOTTZ; V., CARDOSO; E. Agroecologia, Trabalho e Mulheres: Um olhar a partir da economia feminista. Anais do 18º REDOR, Universidade Federal Rural do Pernambuco, Recife, 2014.
MARSDEN, T.; BANKS, J.; BRISTOW, G. Food supply chain approaches: exploring their role in rural development. Sociologia Ruralis, v.40, n.4, p.424-438, 2000.
MATTE, A.; NESKE, M. Z.; BORBA, M. F. S.; WAQUIL, P. D. & SCHNEIDER, S. A relocalização e o mercado de cadeias curtas na pecuária familiar do território Alto Camaquã no sul do Rio Grande do Sul. En: 7º Encontro de Economia Gaúcha. PUC, Porto Alegre, 2014.
MEIRA; C., B; DUVAL; H., C; Mulheres rurais e agroecologia: uma análise do papel das mulheres nos sistemas de produção agroecológicos dos assentamentos da Fazenda Pirituba - região sudoeste do estado de São Paulo. Araraquara: UNIARA, 2017.
PIERRI, M. C. Q. M.; VALENTE, A., E. F. A feira livre como canal de comercialização de produtos da agricultura familiar. In: CONGRESSO DA SOBER, 48, 2010, Campo Grande. PCT IICA/MDA. Campo Grande: NEAD, 2010. p. 8-20.
PUJOL, D. A organização coletiva de uma fileira para a valorização local dos recursos agrícolas: o exemplo da produção de queijo. Observatório Europeu LEADER / AEIDL, 1997.
ROSEMBLOOM, B. Marketing Channels: a management view. Orlando (FL): The Dryden Press, 1999.
SATO, G. S. et al. Fluxo de Comercialização de Hortaliças Produzidas na Região Alto Cabeceiras do Tietê. São Paulo: Instituto de Economia Agrícola, 2006.
SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Cia das Letras, 2000.
SCHERER, E.; OLIVEIRA, J. A. Amazônia: políticas públicas e diversidade cultural. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.
SCHNEIDER, S., FERRARI, D. L. Cadeias curtas, cooperação e produtos de qualidade na agricultura familiar: o Processo de Relocalização da Produção Agroalimentar em Santa Catarina. Organizações Rurais & Agroindustriais. v. 17(1). 56-71, 2015.
SILIPRANDI; E. Mulheres e agroecologia: transformando o campo, as florestas e as pessoas. Rio de janeiro: UFRJ, 2015.
SILVA; M. N.; CECCONELLO; S., T.; ALTEMBURG; S., G., T; SILVA; F., T; Cláudio BECKER; C.. A agricultura familiar e os circuitos curtos de comercialização de alimentos: estudo de caso da feira livre do município de Jaguarão, RS, Brasil. Revista Espacios, vol. 38 (Nº 47), 2017. p. 7.
STERN, L.W. et al. Marketing channels. Englewood Cliffs: Prentice – Hall, 1996.
WILKINSON, J. Cadeias produtivas para agricultura familiar. Organizações Rurais e Agroindustriais, Lavras, v. 1, n. 1, p. 34-41, jan./jun. 1999.