A gênese supermercadista das resistências às inovações do autosserviço (agro)alimentar

Conteúdo Principal do Artigo

João Rafael Gomes de Morais
Roberto de Sousa Miranda

Resumo

O objetivo do artigo é analisar a ideia de autosserviço enquanto inovação propulsora do setor supermercadista dentro do sistema (agro)alimentar. Na investigação bibliográfica exploratória realizada nesta pesquisa, buscamos compreender as nuances das concepções de supermercados e autosserviço através da reconstituição da trajetória de criação e difusão do modelo varejista em diversos países, com ênfase na realidade brasileira, descrevendo seus formatos e sua lógica de funcionamento, num exercício de apreensão das práticas socioeconômicas que esse tipo de equipamento de distribuição alimentar emana. De modo suplementar, o exame sobre a literatura também nos possibilitou identificar as resistências sociais e institucionais que o autosserviço alimentar enfrentou na fase inicial de implantação no Brasil. Os resultados da pesquisa mostraram que a concepção de supermercado está diretamente relacionada à ideia de autosserviço. O conjunto de atores que compõem o sistema (agro)alimentar define a estrutura supermercadista de autosserviço à luz dos mais variados critérios. O modelo de autosserviço é manejado e (re)significado por inúmeros atores sociais dos mais diversos portes. Um exemplo disto é a constituição de pequenos negócios de autosserviço por parte do MST e o MPA. De certa forma, esses movimentos criaram novos formatos de distribuição alimentar ao revestir suas lojas com suas práticas socioeconômicas, políticas e culturais.

Detalhes do artigo

Como Citar
Morais, J. R. G. de, & Miranda, R. de S. (2021). A gênese supermercadista . Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 41(1), 134-158. https://doi.org/10.37370/raizes.2021.v41.689
Seção
Artigos
Biografia do Autor

João Rafael Gomes de Morais, UFCG

Mestre em Sociologia. Doutorando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande.

Roberto de Sousa Miranda, UFAPE/UFCG

Doutor em Ciências Sociais. Professor da Universidade Federal do Agreste de Pernambuco e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Campina Grande.

Referências

ABRAS. Associação Brasileira de Supermercados. Curso: Prevenção de Perdas em Supermercados. Escola Nacional de Supermercados, São Paulo, 2020. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2020.
ASCAR, A. C. Os primeiros supermercadistas brasileiros. Revista SuperHiper. São Paulo, ano 44, n. 505, ago. 2018. p. 70-72, Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2020.
ASCAR, A. C. Glossário Ascar de termos atacadistas: a linguagem dos supermercados; Distribuindo camisas: as funções do gerente de supermercado. São Paulo: Bestpoint, 2013.
BELIK, W. Evolução e tendências do varejo. In: MORGADO, M. G; GONÇALVES, M. N. (org). Varejo: Administração de Empresas Comerciais. São Paulo: SENAC, 1997. p. 23-58.
BELIK, W. Mecanismos de coordenação na distribuição de alimentos no Brasil. In: BELIK, W. et al. Abastecimento e segurança alimentar: Os limites da liberalização. Campinas: EDUNICAMP, 2000. p. 131-159. Disponível em: Acesso em: 10 jun. 2020.
BELIK; W.; SANTOS, R. R. Regional Market Strategies of Supermarkets and Food Processors in Extended MERCOSUR. Development Policy Review, v. 20, n.4: p. 515-528, set. 2002. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2020.
BELIK, W. Supermercados e produtores: limites, possibilidades e desafios. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, XII, 2005, Belo Horizonte. Anais do XII Congresso de Brasileiro de Sociologia. Disponível em: Acesso em: 10 jun. 2020.
BELIK, W. Supermercados y agricultura familiar. In: SILVA, J. G. (Org.). Políticas de Reemplazo de Importaciones Agricolas. 8 ed. Santiago do Chile, FAO; ONU, 2009. p. 25-28.
BELIK, W. Estudo sobre a Cadeia de Alimentos. Piracicaba, IMAFLORA, 2020. Disponível em: Acesso em: 10 dez. 2020.
BONNANO, A. Globalización del sector agrícola y alimentario: crisis de convergencia contradictoria. La globalización del sector agroalimentario. Madrid, Ministerio de Agricultura, Alimentación y Medio Ambiente - MAPA, 1994. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2021.
BONANNO, A. A globalização da economia e da sociedade: fordismo e pós-fordismo no setor agroalimentar. In: CAVALCANTI, J. S. B. (Org.). Globalização, Trabalho, Meio Ambiente: mudanças socioeconômicas em regiões frutícolas para exportação. Recife: EDUFPE, 1999. p. 25-74.
BONANNO, A.; CAVALCANTI, S. B. Globalization, Food Quality and Labor: The Case of Grape Production in North-Eastern Brazil. The International Journal of Sociology of Agriculture and Food. v. 19, n. 1, p. 37-55, Jan. 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2021.
CABRINI, G. A casa dos supermercados faz 50 anos. Revista SuperHiper. São Paulo, ano 44, n. 508, fev. 2018. p. 36-45. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2020.
CABRINI, G. Do tradicional ao sob medida. Revista SuperHiper. São Paulo, ano 40, n. 2, nov. 2014. p. 6-11. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2020.
CASSEL, A.; SCHNEIDER, S. Construindo a confiança nas cadeias curtas: interações sociais, valores e qualidade na Feira do Pequeno Produtor de Passo Fundo/RS. In: GAZOLLA, M.; SCHNEIDER, S. Cadeias curtas e redes agroalimentares: negócios e mercados da agricultura familiar. Porto Alegra: EDUFRGS, 2017. p. 195-218.
CRUZ, F. T. Agricultura familiar, processamento de alimentos e avanços e retrocessos na regulamentação de alimentos tradicionais e artesanais. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 58, n. 2, jun. 2020. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2020.
DAVID, M. L.; GUIVANT, J. S. Uma abordagem sociológica das certificações: o caso do selo de aprovação SBC. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 33, n. 98, p. 1-21, ago. 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2020.
DIAS, V. V.; RÉVILLION, J. P.; TALAMINI. Cadeias curtas de alimentos orgânicos: aspecto da relação de proximidade entre consumidores e agricultores no Brasil. In: GAZOLLA, M.; SCHNEIDER, S. Cadeias curtas e redes agroalimentares: negócios e mercados da agricultura familiar. Porto Alegra, Editora da UFRGS, 2017. p. 241-258.
DINIZ, A. O Brasil na era dos supermercados. São Paulo, 1 jan. 1960. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2020.
FARINA, E. M. M. Q.; MACHADO, E. L. Regulamentação governamental e estratégias de negócio no mercado brasileiro de frutas e legumes frescos. In: BELIK, Walter et al. Abastecimento e segurança alimentar: Os limites da liberalização. Campinas: UNICAMP, 2000. p. 131-159. Disponível em: Acesso em: 10 jun. 2020.
FARINA, E. M. M. Q. Consolidation, Multinationalisation, and Competition in Brazil: Impacts on Horticulture and Dairy Products Systems. Development Policy Review, v. 20, n. 4, p. 617-629, set. 2002. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2021.
FARINA, E. M. M. Q.; NUNES, R. A evolução do sistema agroalimentar no Brasil e a redução de preços para o consumidor: os efeitos da atuação dos grandes compradores. Brasília, IPEA, Texto para Discussão n. 970, ago. 2002. Disponível em: Acesso em: 10 jun. 2020.
FRIEDMANN, H.; McMICHAEL, P. Agriculture and the State System: The rise and decline of national agricultures, 1870 to the present. Sociologia Ruralis, v. 29, n. 2, p. 93-117, ago. 1989. Disponível em: . Acesso 27 jan. 2021.
GAZOLLA, M. Cadeias curtas agroalimentares na agroindústria familiar: dinâmicas e atores sociais envolvidos. In: GAZOLLA, M.; SCHNEIDER, S. Cadeias curtas e redes agroalimentares: negócios e mercados da agricultura familiar. Porto Alegra, Editora da UFRGS, 2017. p. 175-194.
GUIVANT, J. S. O controle de mercado através da eco-eficiência e do eco-consumo: uma análise a partir dos supermercados. Política & Sociedade, v. 8, n. 15, p. 173-198, nov. 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2020.
GUIVANT, J. S. Os supermercados na oferta de alimentos orgânicos: apelando ao estilo de vida ego-trip. Ambiente & Sociedade, v. 6, n. 2, p. 63-81, dez. 2003. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2020.
GOODMAN, D. Espaço e lugar nas redes alimentares alternativas: conectando produção e consumo. In: GAZOLLA, M.; SCHNEIDER, S. Cadeias curtas e redes agroalimentares: negócios e mercados da agricultura familiar. Porto Alegra, Editora da UFRGS, 2017. p. 59-82.
GOMES, R. A.; MATÍAS, T. L.; PAULINO, J. S. Articulações interinstitucionais na realização de feiras agroecológicas na Microrregião de Campina Grande-PB. Revisa. Bras. de Desen. Reg. v. 3, n. 1, p. 103-126, out. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2020.
KNOKE, W. O supermercado no Brasil e nos Estados Unidos: confrontos e contrastes. Revista de Administração de Empresas, v. 3, n. 9, p. 91-104, out-dez. 1963. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2020.
LAWRENCE, G.; DIXON, J. The political economy of agri-food: Supermarkets. In: BONANNO, A.; BUSCH, L (editores). Handbook of the international political economy of agriculture and food. Edward Elgar Publishing, 2015. p. 213-231. Disponível em: . Acesso: 21 jan. 2021.
LINHARES, M. Y. L. História do abastecimento: um problema em questão (1530-1918). Brasília: Binagri Edições, 1979.
LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
LIVERPOOL-TASIE, L. S. O.; WINEMAN, A.; YOUNG, S.; TAMBO, J.; VARGAS, C.; REARDON, T.; ADJOGNON, G. S.; PORCIELLO, J.; GATHONI, N.; BIZIKOVA, L.; GALIÈ, A.; CELESTIN, A. A scoping review of market links between value chain actors and small-scale producers in developing regions. Nat Sustain n. 3, p. 799–808, oct. 2020. Disponível: Acesso: 25 out. 2020.
LU, L.; REARDON, T. An economic model of the evolution of food retail and supply chains from traditional shops to supermarkets to e-commerce. American Journal of Agricultural Economics, v. 100, n. 5, p. 1320-1335, Agu. 2018. Disponível: . Acesso: 25 out. 2020.
MALASSIS, L. Économie agro-alimentaire. Économie rurale, v. 122, n. 1, p. 68-72, 1977. Disponível em: . Acesso 27 jan. 2021.
MALASSIS, L. Economie agricole, agro-alimentaire et rurale. Économie rurale, v. 131, n. 1, p. 3-10, 1979. Disponível em: . Acesso 27 jan. 2021.
MALASSIS, L. Food Systems Analysis. Working Paper Series, n. 286. Department of Agricultural Economics. Berkeley: University of California, 1983. Disponível em: . Acesso 27 jan. 2021.
MALASSIS, L. Propos d'un vétéran. Économie rurale, v. 200, n. 1, p. 8-11, 1990. Disponível em: . Acesso 27 jan. 2021.
MALASSIS, L. L'agriculture dans l'activité économique et dans l'espace: deux modèles d’interprétation. Economie rurale, v. 202, n. 1, p. 4-9, 1991. Disponível em: . Acesso 27 jan. 2021.
MALASSIS, L. Politique agricole, politique alimentaire, politique agro-alimentaire. Economie rurale, v. 211, n. 1, p. 47-52, 1992. Disponível em: . Acesso 27 jan. 2021.
MALASSIS, L. Economie globale, alimentaire, agricole et rurale. Économie rurale, v. 219, n. 1, p. 29-32, 1994. Disponível em: . Acesso 27 jan. 2021.
MALASSIS, L. Les trois âges de l’alimentaire. agroalimentaria, v. 96, n. 2, p. 3-5, 1996. Disponível em: . Acesso 27 jan. 2021.
MALASSIS, L. Políticas de desarrollo económico y de cooperación técnica. IICA, Comunica, ano. 2, n. 5, jun. 1997. Disponível em: . Acesso: 22 dez. 2020.
MCMICHAEL, P. Regimes alimentares e questões agrárias.. 1. ed. São Paulo: EDUNESP, 2016.
MORGADO, M. G. Marketing e Estratégia. In: MORGADO, M. G; GONÇALVES, M. N. (org). Varejo: Administração de Empresas Comerciais. São Paulo: SENAC, 1997. p. 59-100.
MST. Movimento de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Sem Terra. Tag: Armazém do Campo. 2020. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2020.
MALUF, R. S. Economia de rede, o papel da distribuição e a problemática da segurança alimentar. In: MALUF, R. S.; WILKINSON, J. (Orgs). Restruturação do Sistema Agroalimentar: questões metodológicas e de pesquisa. Rio de Janeiro. Redecapa, 1999. p. 61-70.
NIEDERLE, P.; WESZ JUNIOR, V. J. As novas ordens alimentares. Porto Alegre: EDUFRGS, 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2020.
NUNES FILHO, R. N. Um passo a ser celebrado. Revista SuperHiper, Ranking 2020: Autosserviço, São Paulo, ano 46, n. 526, maio 2020. p. 18-22. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2020
OOSTERVEER, P.; GUIVANT, J. S.; SPAARGAREN, G. Shopping for green food in globalizing supermarkets: sustainability at the consumption junction. In: Handbook on environment and society, Sage publications, 2007. p. 411-428. Disponível: . Acesso: 25 out. 2020.
OSTRONOFF, L. J. A pandemia e o setor supermercadista: uma reflexão. Tessituras: Revista de Antropologia e Arqueologia, v. 8, p. 63-69, jan./jun. 2020. Disponível: . Acesso: 25 out. 2020.
PADILLA, M.; MALASSIS, L. Politiques agricoles et politiques alimentaires. Cahiers Options Méditerranéennes, v. 1, n. 4, p. 85-89, 1993. Disponível em: . Acesso 27 jan. 2021.
PARPET, M. F. G. A construção intelectual dos mercados agrícolas: a sociedade francesa dos economistas rurais e a revista Economie Rurale. Mana, v. 16, n. 1, p. 75-97, abr. 2010. Disponível em: . Acesso: 22 dez. 2020.
PLANET RETAIL. Store of the Future. England, Researched and published by Planet Retail Limited, 2017. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2020.
RASTOIN, J. L. Louis Malassis (1918-2007): Presidente-fundador de la Asociación Internacional de Economía Alimentaría y Agroindustrial (AIEA2). Agroalimentaria, v. 13, n. 26, p. 13-16, jun. 2008. Disponível em: . Acesso: 22 dez. 2020.
REAL, F. R. El desafío del sector agroalimentario: un reto de competitividad. In: VILLATON, J. C.; RAMOS REAL, E. (coord). Hacia un nuevo sistema rural. Ministério de Agricultura, Alimentación y Medio Ambiente; Centro de Publicaciones Agrarias, Pesqueras y Alimentarias, 1995. p. 345-380. Disponível em: . Acesso: 22 dez. 2020.
REARDON, T.; BERDEGUÉ, J. A. The Rapid Rise of Supermarkets in Latin America: Challenges and Opportunities for Development. Development Policy Review, v. 20, n.4: p. 371-388, set. 2002. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2020.
REARDON, T.; TIMMER, C. Peter. The economics of the food system revolution. Annual Review of Resource Economics, v. 4, n. 1, p. 225-264, Agu. 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2020.
REARDON, T. et al. The global rise and impact of supermarkets: an international perspective. In: Proceedings of the Crawford Fund 17th Annual Parliamentary Conference: “The supermarket revolution in food: good, bad or ugly for the world's farmers, consumers and retailers?” Canberra, ACT, Austrália, p. 14-29, 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2020.
REARDON, T. et al. Rapid transformation of food systems in developing regions: highlighting the role of agricultural research & innovations. Agricultural Systems, v. 172, p. 47-59, jun. 2019. Disponível: . Acesso: 25 out. 2020.
REARDON, T.; BELLEMERE, M.; ZILBERMAN, D. How COVID-19 may disrupt food supply chains in developing countries. In: COVID-19 and global food security. International Food Policy Research Institute (IFPRI), p. 78-80, 2020. Disponível: Acesso: 25 out. 2020.
RENTING, H.; MARSDEN, T.; BANKS, J. Compreendendo as redes alimentares alternativas: o papel das cadeias curtas de abastecimento de alimentos no desenvolvimento rural. In: GAZOLLA, M.; SCHNEIDER, S. Cadeias curtas e redes agroalimentares: negócios e mercados da agricultura familiar. Porto Alegra, Editora da UFRGS, 2017. p. 27-52.
SCHNEIDER, S. Mercados e agricultura familiar. In: MARQUES, F. C.; CONTERATO, M. A.; SCHNEIDER, S. Construção de mercados e agricultura familiar: desafios para o desenvolvimento rural. Porto Alegra, Editora da UFRGS, 2016. p. 93-142.
SCHNEIDER, S.; SCHUBERT, M. N.; ESCHER, F. Regimes agroalimentares e o lugar da agricultura familiar: uma apresentação ao debate. Revista Mundi Meio Ambiente e Agrárias. Curitiba, PR. v. 1, n. 1, p. 3.1-3.20, jan./jun. 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2021.
TANAKA, J.; PORTILHO, F. Ambiguidades da politização do consumo. Raízes: Revista de Ciências Sociais e Econômicas, v. 39, n. 2, p. 344-358, dez. 2019. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2020.
VAN DER PLOEG, J. D. Camponeses e Impérios Alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre, Editora UFRGS, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2021.
WILLE, D. N.; MENASCHE, R. O rural nas prateleiras do supermercado. In: MENASCHE, R. (Org.). Saberes e sabores da colônia: alimentação e cultura como abordagem para o estudo do rural. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2015. p. 87-102. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2020.
WILKINSON, J. O setor privado lidera inovação radical no sistema agroalimentar desde a produção até o consumo. In: GOULET, Frédéric; LE COQ, J. F.; SOTOMAYOR, O. Sistemas y políticas de innovación para el sector agro en América Latina. Rio de Janeiro: E-Papers, 2019. p. 385-412. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2020.
WILKINSON, J. A pequena produção e sua relação com os sistemas de distribuição. In: Seminario Políticas de Seguridad Alimentaria y Nutrición en América Latina. Campinas/SP, UNICAMP, v. 5, out. 2003. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2020.
WILKINSON, J. Sociologia econômica, a teoria das convenções e o funcionamento dos mercados: "inputs" para analisar os micro e pequenos empreendimentos agroindustriais no Brasil. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 23, n. 2, p. 805-824, 2002. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2020.