Desafios do funcionamento de conselhos deliberativos em reservas extrativistas marinhas na região bragantina do estado do Pará

Conteúdo Principal do Artigo

Ivanilde de Sousa do Espirito Santo
Marc Piraux

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo analisar e comparar o funcionamento dos conselhos deliberativos das Reservas Extrativistas (RESEX) marinhas Caeté-Taperaçu e Araí-Peroba, a partir de alguns critérios da governança territorial. O estudo foi realizado nas RESEX Marinhas Caeté-Taperaçu (município de Bragança) e na Araí-Peroba (município de Augusto Corrêa), criadas em 2005, na região nordeste do estado do Pará. O trabalho foi elaborado a partir de uma abordagem qualitativa. A coleta de dados se deu através de dados secundários, questionários e entrevistas semi-estruturadas. Observou-se que, apesar das dificuldades, o conselho deliberativo da RESEX marinha Caeté-Taperaçu está funcionando, embora com uma gestão centralizada e ineficiente. Já o conselho deliberativo da RESEX marinha Araí-Peroba encontra-se inativo desde 2014. Os motivos foram: a falta de uma gestão descentralizada, o difícil acesso a RESEX, entendimento do significado de uma RESEX, forte assistencialismo e a política partidária. Conclui-se que, apesar da governança territorial ser uma inovação social para a gestão dos territórios de RESEX marinhas, nos conselhos deliberativos Caeté-Taperaçu e Araí-Peroba falta uma governança, visto que, identificou-se arranjos institucionais enfraquecidos e participações não efetivas das comunidades extrativistas no processo de decisão.

Detalhes do artigo

Como Citar
de Sousa do Espirito Santo, I., & Piraux, M. (2021). Desafios do funcionamento de conselhos deliberativos em reservas extrativistas marinhas na região bragantina do estado do Pará. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 41(1), 62-78. https://doi.org/10.37370/raizes.2021.v41.663
Seção
Artigos

Referências

ACSELRAD, H. (Org.). Conflitos Ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Fundação Heinrich Böll, 2004.
ARNS, P. C. Governança democrática e desenvolvimento territorial: avanços e limites das iniciativas brasileiras. In: ZAPATA, T. (org.). Desenvolvimento local e a nova governança. Recife: IADH, 2009. pág. 79-111.
BORDENAVE, J. E. D. O que é participação? 8 ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 2013.
BRASIL. Lei n. 9.985, de 18 de jul de 2000. Sistema Nacional de Unidades de Conservação - SNUC. Disponível em: . Acesso em: 15/07/2018.
BRASIL – Instrução Normativa n° 02, de 18 de set de 2007. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para formação e funcionamento do Conselho Deliberativo de Reserva Extrativista e de Reserva de Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/o-que-somos/in022007.pdf. Acesso em: 13/06/2018.
BRITO, D. M. C. Conflitos em Unidades de Conservação. Revista de Humanidades do Curso de Ciências Sociais. n. 1, dez, 2008.
CANÇADO, A. C.; TAVARES, B.; DALLABRIDA, V. R. Gestão social e governança territorial: interseções e especificidades teórico-práticas. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, vol. 09, n. 03, pág. 313-353, set/dez 2013.
CANTO, O. do et al. Conflitos sociambientais e gestão do território em unidades de conservação na zona costeira do Estado do Pará-Amazônia-Brasil. In: SILVA, C. N. da; OLIVEIRA NETO, A. da C.; SOBREIRO FILHO, J. Perspectiva e analises do espaço geográfico: dinâmicas ambientais e uso dos recursos naturais. Belém: GAPTA/UFPA, 2018. v. 01, pág. 87-114.
CHAMY, P. Reservas extrativistas marinhas: um estudo sobre posse tradicional e sustentabilidade. In: Encontro nacional da ANPPAS. Brasília, Anais, pág. 01-11, 2008.
COSTA, G. B. et al. Percepção das lideranças sobre governança nas reservas extrativistas do Estado de Rondônia. In: 8º Seminário Internacional sobre Desenvolvimento Regional: Territórios, Redes e Desenvolvimento Regional: Perspectivas e Desafios. Set, Santa Cruz do Sul/RS, Anais, pág.01-14, 2017.
COUDEL, E.; TONNEAU, J. P.; PIRAUX, M. Articular dispositivos de formação et de governança: Um desafio para o desenvolvimento. Raízes-Revista de Ciências Sociais e Econômicas, vol. 29, n. 01, pág. 143-153, 2010.
CUNHA, C. C.; e LOUREIRO, C. F. B. Reservas extrativistas: limites e contradições de uma territorialidade seringueira. Theomai, n. 20, Pág. 169-1985, 2009.
DALLABRIDA, V. R. Governança territorial e desenvolvimento: as experiências de descentralização político administrativa no Brasil como exemplos de institucionalização de novas escalas territoriais de governança. In: I Circuito de Debates Acadêmicos (CODE). Anais, 2011.
FERREIRA, Y. C. de S. M. L.; SOBRINHO VASCONCELLOS, M.; VASCONCELLOS, A. M. de A. Co-gestão em Reserva Extrativista na Amazônia: inovação social para sustentabilidade? O caso da Resex Terra Grande do Pracuúba, Estado do Pará. P2P e Inovação, vol. 03, n. 01, pág. 91-109, 2016.
GOHN, M. da G. Conselhos gestores e participação sociopolítica. 4ª ed. São Paulo, Cortez, 2011.
GONÇALVES, M. T.; KAUCHAKJE, S.; MOREIRA, T. A. Modalidades de gestão social no Brasil. Situ–Revista Científica do Programa de Mestrado Profissional em Projeto, Produção e Gestão do Espaço Urbano, vol. 01, n.02, pág. 131-154, 2015.
ICMBIO. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Guia para Gestão e Conselhos. Brasília, 2014.
LOSEKANN, C. Participação da sociedade civil na política ambiental do Governo Lula. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 15, n. 1, jan./abr. 2012.
MEDEIROS, R. P. Possibilidades e obstáculos a co-gestão adaptativa de sistemas pesqueiros artesanais: estudo de caso na área da Baía de Tijucas, litoral centro-norte do estado de Santa Catarina, no período de 2004 a 2008. Tese. Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da Universidade de Federal de Santa Catarina, 2009.
OLSON, M. The logic of collective action. Cambridge, MA: Harvard University Press, pág. 186, 1965.
OSTROM, E. Governing the commons: the evolution of institutions for collective action. Cambridge, New York: Cambridge University Press, pág. 280, 1990.
PERES, A. da C. Estudo Antropológico de uma comunidade na abrangência da Reserva Extrativista Marinha Caeté-Taperaçu (Bragança-Pará-Brasil). Tese (Doutorado em Antropologia). Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais UFPA, Belém, pág. 300, 2011.
PIRES, E. L. S. et al. A Governança Territorial no Brasil: Conceitos e Modalidades. In: I Circuito de Debates Acadêmicos (CODE). Anais, 2011.
RÊGO, R. S. Entre redes: Um estudo do sistema de representação e atuação do Conselho Deliberativo da RESEX Marinha de Cururupu. Monografia. (Bacharel em Ciências Sociais). Curso de Ciências Sociais da Universidade Federal do Maranhão – UFMA. Maranhão, pág. 75, 2016.
SILVA JUNIOR, S. R. da. Participação e relações de poder no Conselho Deliberativo da Reserva Extrativista Marinha de Caeté-Taperaçu, Bragança-PA. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Pará – UFPA. Belém, pág. 129, 2013.
SILVA JUNIOR, S. R. da. et al. Conservação dos recursos naturais, práticas participativas e institucionalização: Reserva Extrativista de Caeté-Taperaçu/Amazônia Brasileira. Revista eletrônica de geografia e ciências sociais, vol. 18, n. 477, mai, 2014.
SILVA JUNIOR, S. R. da et al. Desafios da gestão participativa de recursos naturais em uma Reserva Extrativista Marinha no Pará. Novos Cadernos NAEA, vol. 21, n. 02, 2018.
TEISSERENC, M. J. da S. A. Politização, ambientalização e desenvolvimento territorial em reservas extrativistas. Caderno CRH, Salvador, vol. 29, n. 77, pág. 229-242, mai/ago, 2016.
TEISSERENC, P. Governança Territorial em Reservas Extrativistas. Revista: Pós Ci. Soc. vol.11, n. 22, pág. 19-46, jul/dez, 2014.