Protagonismo feminino e divisão sexual do trabalho no ambiente rural articulação do grupo de mulheres residentes e produtoras de café da comunidade Fazenda Alegria, Caparaó - ES

Conteúdo Principal do Artigo

Beatriz Carvalho Tavares
Daniela Minuzzo
Annah Bárbara Pinheiro dos Santos

Resumo

As trabalhadoras rurais são mão de obra essencial e expressiva no Brasil, porém enfrentam a invisibilidade e a desvalorização do seu trabalho. O objetivo deste trabalho é destacar a importância da articulação do grupo de mulheres como fomentador do protagonismo feminino no desenvolvimento rural, evidenciando a desconstrução de estereótipos, a discriminação e desigualdade de gênero. Foi conduzida uma pesquisa exploratória qualitativa, através de estudo de caso com entrevistas em grupo focal na comunidade Fazenda Alegria, localizada na região do Caparaó–ES. A associação em rede e a pluriatividade evidenciam as múltiplas atuações possíveis no campo e uma nova ruralidade.

Detalhes do artigo

Como Citar
Tavares, B. C., Minuzzo, D., & Santos, A. B. P. dos. (2021). Protagonismo feminino e divisão sexual do trabalho no ambiente rural. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 41(1), 97-113. https://doi.org/10.37370/raizes.2021.v41.696
Seção
Artigos

Referências

AGUIAR, V. V. P. Somos todas margaridas: um estudo sobre o processo de constituição das mulheres do campo e da floresta como sujeito político. 2015. 1 recurso online (xxx, 491 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: < http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/281133>. Acesso em: 13 mai 2021.
AMORIM, E. O.; FIÚZA, A. L. de C.; PINTO, M. N. de A. Mulher e trabalho no meio rural: como alcançar o empoderamento? Caderno Espaço Feminino - Uberlândia-MG - v. 28, n. 1 – Jan./Jun. 2015 – ISSN online 1981-3082 Disponível em:
ARAÚJO, M. Turismo de base comunitária com foco em gênero: estudo de caso na Comunidade Morro Santo Antônio, Município de Itabira-MG. Caderno Virtual de Turismo, v. 16, n. 2, p. 34-61, 2016. http://dx.doi.org/10.18472/cvt.16n2.2016.1091. Disponível em: . Acesso em: 29 dez 2020.
BARBOSA, L.; CAMPBELL, C. Cultura, consumo e identidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.
BONI, V. ; QUARESMA, S. Aprendendo a entrevistar: Como fazer entrevistas em Ciências Sociais. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC. 2. 68-80. 10.5007/18027, 2005. Disponível em: . Acesso em: 29 dez 2020.
CARNEIRO, M. J. Mulheres no campo: Notas sobre sua participação política e condição social do gênero. Estudos Sociedade e Agricultura, n. 2, p. 11-22, jun, 1994. Disponível: . Acesso em: 26 dez 2020.
CARNEIRO, M. J. Ruralidade: novas identidades em construção. Estudos Sociedade e Agricultura, 11, 1998. Disponível: . Acesso em: 15 dez 2020.
CENSO DEMOGRÁFICO 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Acompanha 1 CD-ROM. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/caracteristicas_da_populacao/resultados_do_universo.pdf>. Acesso em: 05 jan 2021.
EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (2018). Visão 2030: o futuro da agricultura brasileira. Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em: 05 jan 2021.
ESTEVE, E. V. O negócio da comida: Quem controla nossa alimentação? Editora Expressão Popular, 1º ed, São Paulo, 2017.
FONTOURA, N. et al. Pesquisas de uso do tempo no Brasil: contribuições para a formulação de políticas de conciliação entre trabalho, família e vida pessoal. Revista Econômica, Rio de Janeiro, v.12, n.1, p.11-46, jun. 2010.
GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.
HECK, R. M.; LANGDON, E. J. Envelhecimento, relações de gênero e o papel das mulheres na organização da vida em uma comunidade rural. Antropologia, saúde e envelhecimento. Rio de Janeiro: Fiocruz, p. 129-151, 2002. Disponível em: . Acesso em: 05 jan 2021.
LEMOS, T. de C. S.; DO VALE, A. R. O “Café Feminino” no contexto da certificação Fair Trade: uma análise sobre o papel das mulheres na COOPFAM. OKARA - Geografia em debate. v. 14, n. 2, 2020. https://doi.org/10.22478/ufpb.1982-3878.2020v14n2.54764. Disponível em: < https://periodicos.ufpb.br/index.php/okara/article/view/54764>. Acesso em: 13 mai 2021.
LISBOA, T.; LUSA, M. G. Desenvolvimento sustentável com perspectiva de gênero - Brasil, México e Cuba: mulheres protagonistas no meio rural. Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 18, n. 3, p. 871-887, Dec. 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2010000300013. Disponível em: . Acesso em: 05 jan 2021.
MASSINI, V. S.; DO VALE, C. C. A cobertura nacional, o potencial paisagístico e o turismo no Parque Nacional do Caparaó (ES/MG). Caminhos de Geografia, 19(67), 253-267, 2018. Disponível em: < http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/39091>. Acesso em: 05 dez 2020.
MARIN, M. Z.; TRENTIN, C. E. G. Desenvolvimento rural: análise das agroindústrias familiares de Campinas do Sul-RS. Revista Perspectiva, Erechim – RS, v. 34, n. 127, p. 35-51, set., 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 dez 2020.
ONU Mujeres. Hechos y cifras sobre las mujeres rurales, 2011. Disponível em: . Acesso em: 05 jan 2021.
PAULILO, M. I. Movimentos das mulheres agricultoras e os muitos sentidos da “igualdade de gênero”. Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas, v. 2, p. 179-202, 2009.
RAMOS, G. S. Leitura feminista da história das mulheres no Brasil. Revista Estudos Feministas, v.21, n.3, p.1232-5, dez. 2013. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2013000300026. Disponível em: . Acesso em: 05 jan 2021.
SALVARO, G. I. J.; LAGO, M. C. de S.; WOLFF, C. S. Limites e possibilidades da militância política em um movimento social rural de mulheres. Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 22, n. 1, p. 51-70, Apr. 2014. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2014000100004. Disponível em: .
SCHNEIDER, C. O. et al. Mulheres rurais e o protagonismo no desenvolvimento rural: um estudo no município de Vitorino, Paraná. Interações (Campo Grande), Campo Grande , v. 21, n. 2, p. 245-258, Apr. 2020. http://dx.doi.org/10.20435/inter.v21i2.2560. Disponível em: . Acesso em: 05 jan 2021.
SEN, A. K. A condição de agente das mulheres e a mudança social. In: SEN, A. K. Desenvolvimento como liberdade. Tradução Laura Teixeira Motta. São Paulo, Companhia das Letras, 2000, p. 220-235.
SILVA, C. B. C. ; SCHNEIDER, S. Gênero, trabalho rural e pluriatividade. In: SCOTT, Parry; CORDEIRO, Rosineide; MENEZES, Marilda (Org.). Gênero e geração em contextos rurais. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2010. p. 183-207.
SILIPRANDI, E. Mulheres e agroecologia: a construção de novos sujeitos políticos na agricultura familiar. 2009. 291 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável)-Universidade de Brasília, Brasília, 2009. Disponível em: . Acesso: 29 dez 2020.
SOLLA, X. M. S. Turismo rural. Tendências e perspectivas. In Irving, M. de A., Azevedo, J. & Lima, M. A. G. (Org.). Turismo: ressignificando sustentabilidade. Rio de Janeiro: Folio Digital Letra e Imagem, 2018.
SOUSA, L. P. ; GUEDES, D. R. A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estud. av., São Paulo , v. 30, n. 87, p. 123-139, Aug. 2016. https://doi.org/10.1590/S0103-40142016.30870008. Disponível em: Acesso em: 29 dez 2021.
TAVARES, B. C.; SANTOS, A. B. P. Turismo pós-pandemia: a ruralidade como alternativa e oportunidade. Caderno de resumos do 1° Seminário Acadêmico Turismo e Inovação “Os impactos da Covid-19 e a recuperação da atividade do turismo”, Universidade de São Paulo, 2020.