Da terra à mesa produção para autoconsumo e a segurança alimentar e nutricional

Conteúdo Principal do Artigo

Áline Mayara Ferreira Bellé
Hieda Maria Pagliosa Corona

Resumo

O artigo foi construído a partir dos resultados da pesquisa realizada no âmbito do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional da UTFPR - Campus de Pato Branco, entre os anos de 2020 e 2021.  O objetivo é analisar como as famílias agricultoras do município de Ampere, no sudoeste do Paraná, compreendem a relação da sua produção de alimentos destinada ao autoconsumo com a Segurança Alimentar e Nutricional. A pesquisa qualitativa foi realizada por meio de entrevistas com famílias agricultoras que revelaram a diversidade de situações produtivas e socioeconômicas do município (10 famílias), com base em formulário semiestruturado e registro em diário de campo. A produção de autoconsumo para essas famílias tem relação com a qualidade do alimento, saúde, tradição/cultura, economia e afetividade. Os alimentos por eles/elas produzidos são valorizados por possuírem uma qualidade nutricional superior aos alimentos comprados, pela confiança no saber-fazer tradicional e na ausência de agrotóxicos, retratando uma segurança ontológica. A produção de autoconsumo é, também, um elemento capaz de fortalecer o vínculo da família com o lugar em que vive e de dar continuidade à sua tradição em produzir alimentos para a família, assumindo um papel de resistência a partir da reflexividade que incorpora a crítica aos alimentos/produtos industrializados, em especial os ultraprocessados, mesmo quando, por vezes, fazem parte de compras destinadas às crianças, ao mesmo tempo procuram manter seu modo de viver – do plantar, colher e consumir seu próprio alimento –, o que denota maneiras de se manterem seguros frente às incertezas e riscos dos alimentos “modernos”.

Detalhes do artigo

Como Citar
Mayara Ferreira Bellé, Áline, & Pagliosa Corona, H. M. (2021). Da terra à mesa. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 41(2), 361-384. https://doi.org/10.37370/raizes.2021.v41.720
Seção
Dossiê: Sistemas Agroalimentares Contemporâneos
Biografia do Autor

Hieda Maria Pagliosa Corona, Universidade tecnológica Federal do Paraná

Doutora em Meio Ambiente e Desenvolvimento, Pós-doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento socioambiental, Professora do programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, pagliosa@utfpr.edu.br, https://orcid.org/0000-0003-1790-5423

Referências

ALMEIDA, J., GERHARDT, T. E. A modernização da agricultura. Porto Alegre: Editora da UFRGS, p.1-94, 2011.
BARDIN, L. Analise de Conteúdo. Tradução: Luis Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições, 70, 2016.
BECK, U. A reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva. In: Modernização Reflexiva: Politica, tradição e estética na ordem social moderna. 2ªed, São Paulo: editora Unesp, p.11-88, 2012.
BECK, U. Sociedade de Risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2ºed, p.384, 2011.
BRANDENBURG, A. Ecologização da agricultura familiar e ruralidade. Org. Delgado, Guilherme Costa. Bergamasco, Sonia Maria Pessoa Pereira (orgs.). In: Agricultura familiar brasileira: desafios e perspectivas de futuro. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2017.
BRASIL. Decreto nº 9.064, de 31 de maio de 2017. Dispõe sobre a Unidade Familiar de Produção Agrária, institui o Cadastro Nacional da Agricultura Familiar e regulamenta a Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006, que estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e empreendimentos familiares rurais. Diário Oficial da União, DF, 05 mai. 2017 Disponível em: . Acesso em:14 maio 2020.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed., 1. reimpr. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.
CONSEA. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. A Segurança Alimentar e Nutricional e o direito à alimentação adequada no Brasil: Indicadores e monitoramento, da constituição de 1998 aos dias atuais. Brasília, nov, 284p., 2010.
CORONA, H. M. P. A reprodução social da agricultura familiar na região metropolitana de Curitiba em suas múltiplas interrelações. 317 f. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2006.
CUNHA, L. H.; GOMES, R. A.; MENEZES, M. A.; MALAGODI, E. A.; IENO NETO, G. A construção de índices como instrumentos para retratar a realidade social: uma análise crítica. In: Ministério do Desenvolvimento Agrário; Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural (NEAD), (Orgs). Assentamentos em Debate. Brasília: NEAD; p. 40-56, 2005.
DORIGON, C.; NESI, C. N.; TONEZER, C.; HAAG, Á. L. A produção de alimentos para o autoconsumo em famílias de agricultores da região oeste do Estado de Santa Catarina. Redes (St. Cruz Sul, Online), v.25, Ed. Especial 2, p.2060 - 2085, 2020. ISSN 1982-6745.
DUVAL, H.C. Da terra ao prato: um estudo das práticas de autoconsumo em um assentamento rural. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de São Carlos, Araras, p. 194, 2010.
EMATER. Perfil da realidade agrícola municipal de Ampére – Pr. 2018 (dados não publicados).
ESCOBAR, A. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? In: LANDER, Edgardo (org). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires, Argentina: CLACSO, 2005. Disponível em: . Acesso em:18 nov 2020.
FONSECA, A. B. et al.. Modernidade alimentar e consumo de alimentos: contribuições socio-antropológicas para a pesquisa em nutrição. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 9, p. 3853-3862, Sept. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 nov 2020 https://doi.org/10.1590/S1413-81232011001000021.
FRIEDRICH, K. et al.. Parecer técnico: Avaliação dos efeitos tóxicos sobre o sistema reprodutivo, hormonal e câncer para seres humanos após o uso do herbicida 2,4-D. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2015. Disponível em http://www.mprj.mp.br/documents/20184/48860/2.4_d_compressed.pdf. Acesso em: 18 nov 2020.
GAZOLLA, M. Agricultura familiar, segurança alimentar e políticas públicas: uma análise a partir da produção para autoconsumo no território do Alto Uruguai/RS. Porto Alegre, 2004.
GAZOLLA, M.; SCHNEIDER, S. A produção da autonomia: os “papéis” do autoconsumo na reprodução social dos agricultores familiares. Revista Estudos Sociedade e Agricultura, UFRRJ,Rio de Janeiro: v. 15, p. 89-122, 2007.
GAZOLLA, M.; SCHNEIDER, S. Qual “Fortalecimento” da Agricultura Familiar? Uma análise do Pronaf crédito de custeio e investimento no Rio Grande do Sul. RESR, Piracicaba-SP, vol. 51, nº 1, p. 045-068, Jan/Mar, 2013.
GIDDENS, A. A vida em uma sociedade pós-tradicional. In: Modernização Reflexiva: Política, tradição e estética na ordem social moderna. 2ªed, São Paulo: editora Unesp, p.89-166, 2012.
GIDDENS, A. Em defesa da sociologia. Ensaios, interpretações e tréplicas. São Paulo: Editora UNESP, 2001.
GIDDENS, A. Introdução. In: As consequências da modernidade. Trad. Raul Fiker, São Paulo: Editora Unesp. 1991.
GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Tradução: Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002.
GRISA, C. A produção “pro gasto”: um estudo comparativo do autoconsumo no Rio Grande do Sul. 2007. 200 p. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.
GRISA, C.; SCHNEIDER, S. “Plantar pro gasto”: a importância do autoconsumo entre famílias de agricultores do Rio Grande do Sul. Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 46, n. 2, p. 481-515, jun. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/resr/v46n2/v46n2a08.pdf. Acesso em: 7 set. 2021.
GRISA, C.; GAZOLLA, M.; SCHNEIDER, S. A "produção invisível" na agricultura familiar: autoconsumo, segurança alimentar e políticas públicas de desenvolvimento rural. Agroalimentária, v. 16, n. 31, p. 65-79, jul. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jan 2020.
HERNÁNDEZ, J. C. S. Patrimônio e Globalização: o caso das culturas alimentares. In: CANESQUI, Ana Maria; GARCIA, Rosa Wanda Diez (org.) Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, p.129-144, 2005.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Quadro de dados de Ampére, 2020. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/pr/ampere.html. Acesso em: 08 de mar 2021.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2020 / IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. - Rio de Janeiro: IBGE, 2020.
Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social - IPARDES. Disponível em:< http://www.ipardes.pr.gov.br/imp/index.php>. Acesso em: 10 de jun. 2020.
LAMARCHE, H. (coord.) et al. Agricultura familiar: 1. Uma realidade multiforme. Campinas: Unicamp, 1993.
LUZ, V. G. (In)segurança alimentar e nutricional em agricultores familiares e o uso da terra no município de Ibiúna, SP. 2014. 182 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: . Acesso em:10 jun 2020.
MALUF, R. S.; MENEZES, F. Caderno ‘segurança alimentar’. 2015. Disponível em:. Acesso em: 15 mar 2020.
MENASCHE, R. A agricultura familiar à mesa. Saberes e práticas da alimentação no Vale do Taquari. Editora Universidade Federal Rio Grande do Sul. Série Estudos e Pesquisas IEPE, abr., 2007.
MENASCHE, R.; MARQUES, F. C.; ZANETTI, C. Autoconsumo e segurança alimentar: a agricultura familiar a partir dos saberes e práticas da alimentação. Rev. Nutr., Campinas, v. 21, supl. p. 145s-158s, Aug. 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 Mar. 2021. https://doi.org/10.1590/S1415-52732008000700013.
MINAYO, M. C. de S. O desafio do Conhecimento. Pesquisa qualitativa em Saúde. São Paulo: Hucitec. 2010.
ONU, Organizações das Nações Unidas. Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Relatório. Traduzido pelo Centro de Informação das Nações Unidas-Brasil (UNIC Rio), 13 de outubro de 2015. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2015/10/agenda2030-pt-br.pdf. Acesso em: 20 nov 2020.
PEREIRA, A. A. A Segurança Alimentar e Nutricional e o desenvolvimento da Agricultura familiar: Um estudo na comunidade da península do Cavernoso no município de Candói-Pr. Dissertação (Mestrado) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional. Pato Branco, PR, p. 142, 2014.
PLOEG, J. D. V. Sete teses sobre a agricultura camponesa. In: PETERSEN, P. Agricultura familiar camponesa na construção do futuro. Rio de Janeiro: AS-PTA, 17-31, 2009.
POLLAN, M. Em defesa da comida. Tradução: Adalgiza Campos da Silva. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2013.
POPKIN, B., CORVALAN, C., GRUMMER-STRAWN, L. Dynamics of the double burden of malnutrition and the changing nutrition reality. Lancet, v. 365, p.65–74, 15 de dezembro de 2019. https://doi.org/10.1016/ S0140-6736 (19) 32497-3. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0140673619324973. Acesso em: 18 mar 2020.
PORTILHO, F.; CASTANEDA, M.; CASTRO, I. R. R. de. A alimentação no contexto contemporâneo: consumo, ação política e sustentabilidade. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 99 106, Jan, 2011. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000100014.
RICHARDSON, R. J. Pesquisa social métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 2010.
RIGON, S. A. (org.) et al. Grupo de Trabalho em Soberania e Segurança Alimentar da Articulação Nacional de Agroecologia - GT SSA/ ANA. Soberania e segurança alimentar na construção da agroecologia: sistematização de experiências. Rio de Janeiro: FASE, 2010.
ROSSET, P. Soberanía Alimentaria: Reclamo Mundial del Movimiento Campesino, p. 1-6, 2004. Disponível em https://nyeleni.org/IMG/pdf/RossetSobAlimFinal.pdf. Acesso em: 20 dez 2020.
SILVA, E. J. A trajetória de ampere, 2020. Disponível em: https://eronportal.com.br/espaco-municipal-a-pagina-da-minha-terra-ampere-a-cidade-do-emprego. Acesso em:17 set 2020.
VALENTE, F. Direito humano à alimentação: desafios e conquistas. Editora: Cortez, são Paulo, p. 272, 2002.
SEYFERTH, G. Campesinato e o Estado no Brasil. Mana, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 395-417, ago. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132011000200006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 23 jun. 2019.
WAGNER, S. A.; MARQUES, F. C.; MENASCHE, R. Agricultura familiar à mesa. In: Agricultura familiar à mesa – Saberes e práticas da alimentação no vale do taquari. porto Alegre: UFRGS, p. 58 – 77, 2007.
WANDERLEY, M. N. Agricultura familiar e campesinato: rupturas e continuidade. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, 21, Outubro, p. 42-61, 2003. Disponível em:. Acesso em:26 jun 2020.
WHO, World Health Organization. Obesity and overweight. 2020, disponível em: https://www.who.int/news-room/facts-in-pictures/detail/6-facts-on-obesity. Acesso em: 22 jul 2020.