Iniciativas agroalimentares sustentáveis análise de sistemas agroflorestais agroecológicos no Rio Grande do Sul e no Paraná a partir de indicadores de desempenho

Conteúdo Principal do Artigo

Adriana Rita Sangalli
Gabriela Coelho de Souza
Tatiana Mota Miranda

Resumo

Este estudo objetiva analisar iniciativas agroalimentares sustentáveis em propriedades familiares, nos estados do Rio Grande do Sul e do Paraná, a partir de um monitoramento inicial em sistemas agroflorestais agroecológicos, utilizando indicadores de desempenho elaborados de forma participativa nos dois contextos. A metodologia constou de levantamento bibliográfico e pesquisa de campo, incluindo a coleta de dados com agricultores familiares agroecológicos que manejam sistemas agroflorestais, assim como o acompanhamento de oficinas voltadas à elaboração participativa de indicadores de desempenho para de sistemas agroflorestais agroecológicos, nos municípios de São Francisco de Paula (RS) e União da Vitória (PR). Constatou-se que os indicadores elaborados de forma participativa se traduzem em uma ferramenta aliada à promoção do desenvolvimento rural sustentável e endógeno entre os agricultores manejadores de sistemas agroflorestais, fortalecendo a governança destes e das redes nas quais estão envolvidos. Os sistemas analisados se configuram em iniciativas agroalimentares que promovem a segurança alimentar e nutricional entre agricultores e consumidores, assim como permitem a perpetuação de saberes tradicionais e culturais locais, refletidos em práticas socioeconômicas e ambientais sustentáveis.

Detalhes do artigo

Como Citar
Sangalli, A. R., Coelho de Souza, G., & Miranda, T. M. (2021). Iniciativas agroalimentares sustentáveis. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 41(2), 342-360. https://doi.org/10.37370/raizes.2021.v41.738
Seção
Dossiê: Sistemas Agroalimentares Contemporâneos
Biografia do Autor

Adriana Rita Sangalli, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Doutora em Desenvolvimento Rural pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil;

Participante do Círculo de Referência em Agroecologia, Sociobiodiversidade, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil;

Técnica Administrativa da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Dourados, Brasil.

Gabriela Coelho de Souza, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

 Docente da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Depto. de Economia e Relações Internacionais). Coordenadora do Círculo de Referência em Agroecologia, Sociobiodiversidade, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Tatiana Mota Miranda, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Docente colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural. Participante do Círculo de Referência em Agroecologia, Sociobiodiversidade, Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Referências

ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P. Métodos e técnicas para a coleta de dados. In: ALBUQUERQUE, U. P.; LUCENA, R. F. P. (Orgs.). Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica. Recife: Ed. Livro Rápido/NUPEEA, 2004. p. 37-62.
ALTIERI, M. A. Agroecologia, agricultura camponesa e soberania alimentar. Revista Nera, Presidente Prudente, n. 16, p. 22-32, jan./jun. 2010.
ALTIERI, M. A.; NICHOLLS, C. I. La Agroecología em tiempos del covid-19. Centro Latinoamericano de Investigaciones Agroecológicas - CELIA.Berkeley: University of California, 2020. p.1-7. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2020.
BARTLE, P. O que é monitoramento? Trad. NOGUEIRA, D. A., 2011. Disponível em: http://cec.vcn.bc.ca/mpfc/modules/mon-whtp.htm. Acesso em: 03 dez. 2021.
BAYLEY, K. Methods of social research. New York: The Free Press, 1994.
BRAGA, P. C.; SILVA, R. M. A construção do sujeito agroflorestal por meio da ética do habitar: resistência e autonomia na visão de mundo agrofloresteira. In: STEENBOCK, W. et al. (Orgs.). Agrofloresta, ecologia e sociedade. Curitiba: Kairós, 2013. p.155-196.
BUTTOUD, G. Advancing agroforestry on the policy agenda: a guide for decision-makers. Agroforestry Working Paper 1. Food and Agriculture Organization of the United Nations: Rome, 2013. Disponível em: http://www.fao.org/3/a-i3182e.pdf. Acesso em: 13 ago, 2020.
CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e extensão rural: contribuições para a promoção do desenvolvimento rural sustentável. Porto Alegre, 2004. Disponível em: http://www.emater.tche.br/site/arquivos_pdf/teses/agroecologiaeextensaoruralcontribuicoesparaapromocaodedesenvolvimentoruralsustentavel.pdf. Acesso em: 06 jun. 2021.
CARON, P. et al. Sistemas alimentares para o desenvolvimento sustentável: propostas para uma profunda transformação em quatro partes. In: PREISS, P. V.; SCHNEIDER, S. (Orgs.). Sistemas alimentares no século 21: debates contemporâneos. Porto Alegre: UFRGS, 2020. p. 25-49.
CENTRO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DOS SISTEMAS TRADICIONAIS DE ERVA-MATE - CEDERVA. Formalização da criação do Observatório da Erva-mate aconteceu em Curitiba. Notícias,21 out. 2019. Disponível em: http://www.cederva.com/not%C3%ADcias.html. Acesso em: 30 ago. 2020.
COELHO-DE-SOUZA, G. et al. Sistemas Agroflorestais e NEXUS: A proposta no contexto do projeto PANexus. Cartilha (em construção), 2021.
COELHO, G. C. Sistemas agroflorestais. São Carlos: Rima, 2012.
FAVARETO, A. Territórios rurais em um mundo urbanizado e globalizado: paradoxos e transição para a sustentabilidade. In: GUIBERT, M.; SABOURIN, E. (Coords.). Ressources, inégalités et développement des territoires ruraux en Amérique latine, dans la Caraïbe et en Europe. Retours sur le Colloque 2019. l’Institut des Amériques (IDA)/ l’Agence française de développement (AFD)/ Fondation Union Européenne – Amérique latine et Caraïbes (EU-LAC), 2019, p. 17-32.
FERREIRA, M. S. G. et al. Construção participativa de indicadores de inclusão social de agricultores familiares na dendeicultura no estado do Pará. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2019.
FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS - FAO. Década das Nações Unidas para a agricultura familiar. Notícia. 11 abr. 2019. Disponível em: http://www.fao.org/brasil/noticias/detail-events/pt/c/1190270/#:~:text=Em%20dezembro%20de%202017%2C%20a,Familiar%20(2019%2D2028). Acesso em: 05 jul. 2019.
FRANCO, F. S. et al. Construção participativa do conhecimento agroflorestal e monitoramento de indicadores de sustentabilidade em assentamentos rurais na região de Iperó, SP. In: CANUTO, J. C. (Ed.). Sistemas Agroflorestais: experiências e reflexões. Brasília: Embrapa, 2017. p. 14-36.
GERHARDT, T. E. et al. Estrutura do Projeto de Pesquisa. In: GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (Orgs.). Métodos de Pesquisa. Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. Porto Alegre: UFRGS, 2009. p. 65–89.
HANISCH, A. L. et al. Evaluating sustainability in traditional silvopastoral systems (caívas): looking beyond the impact of animals on biodiversity. Sustainability, Basel, Suiça, v.11, n. 3098, p. 1-16, 2019.
INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE - IPCC. Special Report. Climate change and land: An IPCC Special Report on climate change, desertification, land degradation, sustainable land management, food security, and greenhouse gas fluxes in terrestrial ecosystems, 2019. Disponível em: https://www.ipcc.ch/srccl/. Acesso em: 16 set. 2020.
INTERNATIONAL BUSINESS MACHINES CORPORATION - IBM. Statistical Package for the Social Sciences. SPSS Statistics for Windows, versão 22.0. Armonk, Nova York: IBM Corp., 2013.
MAVEDDAT, A. et al. Severe acute respiratory distress syndrome secondary to coronavirus 2 (SARS-CoV-2). Int J Occup Environ Med, v. 11, n. 4, p. 157-178, 2020.
MEADOWS, D. Indicators and information systems for sustainable development. A report to the Balaton Group. The Sustainability Institute. E-book, 1998. Disponível em: http://donellameadows.org/wp-content/userfiles/IndicatorsInformation.pdf. Acesso em: 02 dez. 2020.
MICCOLIS et al. Restauração ecológica com sistemas agroflorestais: como conciliar conservação com produção: opções para Cerrado e Caatinga. Brasília: Centro Internacional de Pesquisa Agroflorestal, 2016.
MONTAGNINI, F. et al. Sistemas agroforestales: funciones productivas, socioeconómicas y ambientales. Serie técnica. Informe técnico 402.CATIE, Turrialba, Costa Rica. Editorial CIPAV, Colombia, 2015.
MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO NO PARANÁ – MPT/PR. Assessoria de Comunicação, 9ª. Região. Observatório dos Sistemas Tradicionais e Agroecológicos da Erva-Mate é criado em Curitiba. Curitiba, 18 out. 2019. Disponível em: http://www.prt9.mpt.mp.br/informe-se/noticias-do-mpt-pr/45-noticias-prt-curitiba/1292-observatorio-dos-sistemas-tradicionais-e-agroecologicos-da-erva-mate-e-criado-em-curitiba. Acesso em: 20 dez. 2020.
ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL - ONU/BRASIL. Relatório da ONU mostra que 1 milhão de espécies de animais e plantas enfrentam risco de extinção,2019. Disponível em:https://nacoesunidas.org/relatorio-da-onu-mostra-que-1-milhao-de-especies-de-animais-e-plantas-enfrentam-risco-de-extincao/. Acesso em: 13 maio 2019.
PLOEG, J. D. van der. Dez qualidades da agricultura familiar. Cadernos de debate. Agriculturas, n. extra, p. 7-14, fev./2014.
SANGALLI, A. R.; MAIA, R. E. F.; STRATE, M. F.; NIMMO, E. R.; LACERDA, A. E. B.; MIRANDA, T. M.; COELHO-DE-SOUZA, G. Monitoramento de indicadores de sistemas tradicionais de produção de erva-mate e fortalecimento de sua governança no centro-sul do estado do Paraná, Brasil. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba (no prelo).
SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. G.; NUNES, J. A. Conhecimento e transformação social: por uma ecologia de saberes. Hiléia: Rev. Dir. Amb. Amazônia, Manaus, v. 4, n. 6, p. 11-103, 2006.
SCHEMBERGUE, A. et al. Sistemas agroflorestais como estratégia de adaptação aos desafios das mudanças climáticas no Brasil. Rev. Econ. Soc. Rural, v. 55, n.1, p. 9-30, 2017.
SECRETARIAT OF THE CONVENTION ON BIOLOGICAL DIVERSITY- SCBD. Global Biodiversity Outlook 5. Montreal, 2020. Disponível em: https://www.cbd.int/gbo5. Acesso em: 03 nov. 2020.
SHIVA, V. Reflexões ecológicas sobre o vírus corona. Um planeta, uma saúde - conectados através da biodiversidade: Das florestas, às nossas fazendas, ao nosso microbioma intestinal. JIVAD (Blog Vandana Shiva), 18 mar. 2020. Disponível em: https://www.navdanya.org/bija-refelections/2020/03/18/ecological-reflections-on-the-corona-virus/. Acesso em: 05 jun. 2020.
STEENBOCK, W. et al. Geração e uso de indicadores de monitoramento de agroflorestas por agricultores associados à Cooperafloresta. In: STEENBOCK, W. et al. (Orgs.). Agrofloresta, ecologia e sociedade. Curitiba: Kairós, E-book, 2013. p. 305-320. Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/educacaoambiental/images/stories/biblioteca/permacultura/livro_AGROFLORESTA_ECOLOGIA_E_SOCIEDADE.pdf. Acesso em: 26 mar. 2019.
STRATE et al. Construção de indicadores para as seguranças hídrica, energética e alimentar no contexto das redes de governança da Mata com Araucária. In: SCHREINER, C. T. et al. (Orgs.). ENCONTRO REGIÃO SUL DE ETNOBIOLOGIA E ETNOECOLOGIA, 4, nov. 2019, UFPel, Capão do Leão. Anais... Porto Alegre: UFRGS, 2020. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/217100/001120978.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 12 ago. 2020.
SWINBURN, B. et al. The Global Syndemic of Obesity, Undernutrition, and Climate Change: The Lancet Commission report. The Lancet, v. 393, p. 791-846, fev. 2019. Disponível em: https://www.thelancet.com/pdfs/journals/lancet/PIIS0140-6736(18)32822-8.pdf. Acesso em: 30 jan. 2021.