A Elite ruralista no parlamento: características principais da bancada que representa a classe proprietária rural

Conteúdo Principal do Artigo

Resumo




O artigo traz uma análise das principais caraterísticas da Bancada Ruralista na Câmara dos Deputados e sua atuação como elite política. Os dados foram obtidos através das biografias publicadas pela Câmara Federal em seu portal na internet, sendo considerada a composição da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) durante as 54° e 55o legislaturas. A atuação desta bancada como elite política considera não somente a sua organização numérica, mas também a mobilização de vieses capazes de impedir que interesses antagônicos ganhem espaço de deliberação política. Para exemplificar, utiliza-se as notas taquigráficas da CPMI da Terra na busca dos vieses construídos dentro do Parlamento.




Detalhes do artigo

Como Citar
Silva Lima, M. (2018). A Elite ruralista no parlamento:. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 38(2), 58-72. https://doi.org/10.37370/raizes.2018.v38.10
Seção
Artigos

Referências

BACHRACH, P; BARATZ, M. Duas faces do poder. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, v.19, n.40, p.149-157, out. 2011.
BARCELOS, E; BERRIEL, M. Práticas Institucionais e Grupos de Interesse: A geograficidade da Bancada Ruralista e as estratégias hegemônicas no Parlamento Brasileiro. In XIX ENCONTRO NACIONAL DE GEOGRAFIA, 2009, São Paulo. Anais. São Paulo, 2009. Anais. Disponível em http://www.geografia.fflch.usp.br/inferior/laboratorios/agraria/Anais%20XIXENGA/artigos/Barcelos_EAS.pdf. Acesso em julho de 2018.
BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974.
BRASIL, Presidência da República. Lei 13.465, de 11 de julho de 2017. Dispõe sobre a regularização fundiária rural e urbana [...]”. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Lei/L13465.htm Acesso: 15 de maio de 2018.
BRUNO, R. Senhores da Terra, Senhores da Guerra: a nova face política das elites agroindustriais no Brasil. Rio de Janeiro: Forense Universitária- UFRRJ, 1997.
__________, Um Brasil ambivalente: agronegócio, ruralismo e relações de poder.
Rio de Janeiro: Mauad X; Seropédica, Rio de Janeiro: EDUR, 2009.
BRUNO, R; LACERDA E; CARNEIRO, O. Organizações da classe dominante no campo. In CALDART, R; PEREIRA, I.; ALENTEJANO, P.; FRIGOTTO, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro e São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio e Expressão Popular, 2012. p. 519-532.
BRUNO, R.; SEVÁ, J.; CARNEIRO, O. Agronegócio e representação de interesses In BRUNO, R. Um Brasil ambivalente: agronegócio, ruralismo e relações de poder. Rio de Janeiro: Mauad X; Seropédica, Rio de Janeiro: EDUR, 2009.
DELGADO, G. Economia do agronegócio (anos 2000) como pacto do poder com os donos da terra. Revista Reforma Agrária. Campinas, p. 61-68, edição especial de julho, 2013.
_______. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio. Mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). Porto Alegre: UFRGS, 2012.
DEL GROSSI, M.; GASQUES, J.; SILVA, J.; CONCEIÇÃO, J. Estimativas das famílias potenciais beneficiárias de programas de assentamentos rurais no Brasil In GASQUES, J.; CONCEIÇÃO, J.C.P.R (eds), Transformação da agricultura e políticas públicas. Brasília: IPEA, 2001.
DIAP. Radiografia do Novo Congresso: Legislatura 2011-2015. Edição n° 5, Ano V. Brasília, 2010.
_______. Radiografia do Novo Congresso: Legislatura 2015- 2019. Edição nº 6, Ano VI. Brasília, 2014.
FERRAZ, A. Conflito entre poderes: o Poder Congressual de sustar atos normativos do Poder Executivo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1994.
GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. Volume 3: Maquiavel. Notas sobre o Estado e a política. Tradução de Luiz Sérgio Henriques, Marcos Aurélio Nogueira e Carlos Nelson Coutinho. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2007
_______.Concepção Dialética da História. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.
_______. Maquiavel, a Política e o Estado Moderno. Tradução: Luiz Mário Gazzaneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1976.
_______. Cadernos do cárcere: introdução ao estudo da filosofia de Benedetto Croce. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.
LEITE, A.; SAUER, S. Medida Provisória 759: Descaminhos da Reforma Agrária e Legalização da grilagem de terras no Brasil. Revista Retratos dos Assentamentos. v. 20, nº1. p. 14-40, 2017.
LUPION, A. Relatório dos Trabalhos da “CPMI da Terra”. Voto em Separado. Senado Federal, 2005
MENDONÇA, S. O Ruralismo Brasileiro (1988-1931). São Paulo: Hucitec, 1997.
PORTELLI, H. Gramsci e o Bloco Histórico. Tradução: Angelina Peralva. 6° edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.
SANDOVAL, O. CPI ao pé da letra. Campinas: Milennium, 2001.
SAUER, S. Terra e Modernidade: a reinvenção do campo brasileiro. São Paulo: Expressão Popular, 2010.
SENADO FEDERAL. CPMI da Terra. Notas Taquigráficas. Senado Federal, 2005
SOARES, J. O que faz uma CPI. Brasília: Edições Câmara, 2009.
VIGNA, E. Bancada Ruralista: um grupo de interesse. Argumento nº 8. Brasília: INESC, 2001.
________. Bancada Ruralista: o maior grupo de interesse do Congresso Nacional. Brasília: INESC, 2007.