Recursos de base comum e desenvolvimento sustentável: instituições sociais e dilemas entre o ‘ótimo econômico’ e o ‘equilíbrio ecológico’

Conteúdo Principal do Artigo

Igor Ferraz da Fonseca
Maurício de Carvalho Amazonas

Resumo





O presente artigo tem como objetivo analisar a ideia neoclássica de ‘ótimo econômico’ em sua relação com o desenvolvimento sustentável, tomando-se o caso paradigmático dos recursos de base comum – RBC. Argumenta-se que a economia ambiental neoclássica, na qual a gestão dos recursos ambientais se funda na otimização econômica das utilidades na lógica de custo-benefício, não se adequa teórica e concretamente para a gestão dos RBCs. O enfoque da economia ecológica e o enfoque institucionalista são convergentes em demonstrar esta inadequação, dado o entendimento de que o ponto ótimo na gestão dos RBCs não só é inviável objetivamente, como não promove a justiça social na distribuição dos recursos nem a conservação dos recursos naturais, minando o bem-estar social no longo prazo. Dessa forma, o caso dos RBCs permite uma aproximação analítica das dimensões social e ecológica, às quais a dimensão econômica deveria estar subordinada.





Detalhes do artigo

Como Citar
Fonseca, I. F. da, & Amazonas, M. de C. (2011). Recursos de base comum e desenvolvimento sustentável: . Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 31(2), 82-100. https://doi.org/10.37370/raizes.2011.v31.336
Seção
Artigos

Referências

Ver no arquivo do artigo.