Latifúndio pecuarista e sesmarial o mito original dos sertões nordestinos e seus limites

Conteúdo Principal do Artigo

Aldo Manoel Branquinho Nunes

Resumo

O presente trabalho propõe uma reflexão teórica a partir de uma revisão bibliográfica realizada no sentido de identificar como, no campo da teoria social brasileira, constitui-se e consolidou-se uma tendência que tem influenciado, de forma dominante, desde o século XVIII, a compreensão do processo de ocupação e povoamento do interior do Nordeste. Tendência que fundamentou (como estou chamando) o mito original dos Sertões nordestinos que se apoia na tese sesmarial sobre a formação territorial e na determinação do latifúndio pecuarista como base constituinte dos processos de ocupação do solo e de conformação das relações sociais que serviram para legitimar, de forma quase que inconteste, o construto teórico ideológico da “civilização do couro”. Essa dominância teórica, de certa maneira, tem acomodado muitos estudiosos do meio rural nordestino, levados muitas vezes a assumirem essa versão como pressuposto e a não se empenharem na realização de estudos com o devido rigor empírico de modo a identificar, ao longo desse processo histórico, trajetórias de povoamento e ocupação do solo diferentes, a exemplo das comunidades quilombolas e de cultivadores livres, que coexistiram, muitas vezes de forma paralela, às iniciativas de desocupação/ocupação comandadas pelo avanço das boiadas e da fundação de currais de gado ao longo do Rio São Francisco e de seus afluentes por sesmeiros e fazendeiros.

Detalhes do artigo

Como Citar
Nunes, A. M. B. (2021). Latifúndio pecuarista e sesmarial. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 41(1), 1-24. https://doi.org/10.37370/raizes.2021.v41.682
Seção
Artigos

Referências

ALBUQUERQUE, Ulysses Lins de. Um sertanejo e o sertão; Moxotó brabo; Três ribeiras: reminiscências e episódios do cotidiano no interior de Pernambuco. Belo Horizonte: Itatiaia, 1989.
ALBUQUERQUE JR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. 4ª ed. Recife: FJN; Ed. Massangana; São Paulo: Cortez, 2009. 340 p.
ALMEIDA, Antônio Pereira de. Os Oliveira Ledo e a genealogia de Santa Rosa: 27 anos de pesquisas genealógicas. João Pessoa: Editora Gráfica Universal, 1978.
ALVES, Vicente Eudes Lemos. As bases históricas da formação territorial piauiense. Geosul, Florianópolis, v. 18, p 55-76, jul/dez, 2003.
ANDRADE, Manuel Correia de. A terra e o homem no Nordeste: contribuição ao estudo da questão agrária no Nordeste. 6ª ed. Recife: Editora Universitária da UFPE, 1998.
ANTONIL, André João. Cultura e opulência do Brasil. 3. ed. Belo Horizonte: Itatiaia/Edusp, 1982. (Coleção Reconquista do Brasil). Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bv000026.pdf. Acesso em: 24/11/2016.
CAVALCANTE NETO, Faustino Teantino. Taperoá: apontamentos para sua história. In: SOUZA, Antonio Clarindo Barbosa de. História dos Municípios Paraibanos. Vol. 2. Campina Grande: EDUFCG, 2013, 110p.
CAPISTRANO DE ABREU, João. Capítulos de História Colonial e Os Caminhos Antigos e o Povoamento do Brasil. Brasília: EDUNB, 1982.
CEHM. Livro de Vínculo do Morgado da Casa da Torre: contendo a relação das fazendas vinculadas, valor pago pelos rendeiros, limites fundiários e logradouros: 1778 – 1779. Recife: CEPE, 2012.
COSTA PORTO, José da. O sistema sesmarial no Brasil. Brasília: Editora da UNB, 1979.
CUNHA, Euclides da. Os Sertões. Editora Paulo de Azevedo Ltda. 27ª ed: Rio de Janeiro, 1967.
DANTAS, Fabio Lafaiete e DANTAS, Maria Leda de Resende. Uma Família na Serra do Teixeira: Elencos e Fatos. Recife: Editora Liber, 2008.
DOMINGOS NETO, Manuel. O que os netos dos vaqueiros me contaram: o domínio oligárquico no Vale do Parnaíba. São Paulo: Annablume, 2010.
FERRARO JÚNIOR, Luiz Antônio e BURSZTYN, Marcel. Das sesmarias à resistência ao cercamento: razões históricas dos Fundos de Pasto. Caderno CRH, v.23, n. 59, maio/ago., 2010, p. 385-400.
FERRAZ, Tatiana Valença. A formação da sociedade no Sertão pernambucano: trajetórias de núcleos familiares. Dissertação (Mestrado em História do Norte e Nordeste). Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, 2004.
FREYRE, Gilberto. Vida social no Brasil nos meados do século XIX. Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais: Recife, 1964.
FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
GALLIZA, Diana Soares. O declínio da escravidão na Paraíba (1850-1888). João Pessoa: Editora Universitária /UFPB, 1979.
GARCIA Jr, Afrânio. A sociologia rural no Brasil: entre escravos do passado e parceiros do futuro. Sociologias, Porto Alegre, ano 5, n. 10, jul/dez, 2003, p. 154-189.
GIRARDI, E. P. Proposição teórico-metodológica de uma Cartografia Geográfica Crítica e sua aplicação no desenvolvimento do Atlas da Questão Agrária Brasileira. 2008. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2008. Disponível em: http://www.fct.unesp.br/nera/atlas.
GUEDES, Paulo Henrique Marques de Queiroz. A colonização do sertão da Paraíba: agentes produtores do espaço e contatos interétnicos (1650-1730). XXIV Simpósio Nacional de História. São Leopoldo (RS), 2007.
GUIMARÃES, Alberto Passos. Quatro séculos de latifúndio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.
GUIMARÃES ROSA, João. Grande Sertão Veredas. 12ª ed. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1978.
HOLANDA, Sergio Buarque de. Raízes do Brasil. 6ª ed. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1971.
LAMBERT, Jacques. Os dois Brasis. 9ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976.
LEITE, Sérgio; HEREDIA, Beatriz; MEDEIROS, Leonilde; PALMEIRA, Moacir; CINTRÃO, Rosângela. Impactos dos Assentamentos: Um Estudo sobre o Meio Rural Brasileiro. 1.ed. São Paulo: UNESP, 2004.
LINHARES, Maria Yedda e SILVA, Francisco Carlos Teixeira. História da agricultura brasileira: combates e controvérsias. São Paulo: Brasiliense, 1981.
LINHARES, Maria Yedda. Pecuária, alimentos e sistemas agrários no Brasil (séculos XVII e XVIII). Revista Tempo, Niterói, vol. 01, nº 02, 1996, p. 133.
MEDEIROS, Tarcízio Dinoá e MEDEIROS, Martinho Dinoá. Ramificações Genealógicas do Cariri paraibano. Brasília: CEGRAF, 1989.
MENEZES, Djacir. O outro Nordeste: Ensaio sobre a evolução social e política do Nordeste da “civilização do couro” e suas implicações históricas nos problemas gerais. 2ª Edição refundida e aumentada. Rio de Janeiro: Editora Artenova, 1970.
MOOG, Vianna. Bandeirantes e pioneiros: paralelo entre duas culturas. 9ª ed. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1969.
MOTT, Luiz R. B. Fazendas de Gado do Piauí (1697-1762). VIII Simpósio Nacional dos professores universitários de história. São Paulo, 1976.
NUNES, Aldo Manoel Branquinho. Currais, cangalhas e vapores: dinâmicas de fronteira e conformação das estruturas social e fundiária nos “Sertões da Borborema” (1780-1920). Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Universidade Federal de Campina Grande. Centro de Humanidades, 2017.
PEREIRA de QUEIROZ, Maria Isaura. Pecuária e vida pastoril: sua evolução em duas regiões brasileiras. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, 19, 1977: 55-78.
PIERSON, Donald. O homem no vale do São Francisco. Rio de Janeiro: Ministério do Interior/SUVALE, 1972.
PRADO JÚNIOR, Caio. História Econômica do Brasil. 48 ed. São Paulo: Brasiliense, 2008.
SAMPAIO, Yony de Sá Barreto. Formação Territorial do Nordeste – Muitos mitos e poucos estudos. Revista do IAHGP, Recife, n. 68, pp. 49-76, 2015.
SILVA, Diógenes Luiz da. Do latifúndio ao agronegócio: os adversários do MST no Jornal Sem Terra. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Instituto de Ciências Humanas e Sociais, 2013.
SILVA, Ligia Osório. Terras devolutas e latifúndio: efeitos da lei de 1850. 2ª ed. SOUZA, Antonio Clarindo Barbosa de. História dos Municípios Paraibanos. Vol. 1. Campina Grande: EDUFCG, 2012, 100p.
SILVA, M. M. e LIMA, D. M. A. Sertão Norte: Área do Sistema Gado-Algodão. Recife: SUDENE – Coordenação de Planejamento Regional, 1982.
SIMONSEN, Roberto Cochrane. História econômica do Brasil (1500/1820). 7ª ed. São Paulo/ Brasília: Editora Nacional/Instituto Nacional do Livro, 1977.
SODRÉ, Nelson Werneck. Formação Histórica do Brasil. 2ª ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1963.
SOUZA, Clemente de Amorim. Relação encaminhada por Clemente de Amorim Souza aos senhores do muito nobre Senado da Paraíba por especial ordem que tinha de SMGE. dos lugares e povoações do Cariri de Fora. Revista do Instituto Histórico, Geográfico da Paraíba, v. 12. 1953.
SOUZA, Antonio Clarindo Barbosa de (org.). História dos Municípios Paraibanos. Vol. 1. Campina Grande: EDUFCG, 2012, 100p.
SOUZA, Antonio Clarindo Barbosa de (org.). História dos Municípios Paraibanos. Vol. 2. Campina Grande: EDUFCG, 2013a, 110p.
SOUZA, Antonio Clarindo Barbosa de. História dos Municípios Paraibanos (org.). Vol. 3. Campina Grande: EDUFCG, 2013b, 86p.
SOUZA, Itamar de e MEDEIROS FILHO, João. Os degredados filhos da seca: Uma análise sócio-política das secas do Nordeste. Petrópolis: Vozes, 1983.
SUASSUNA, Ariano. O Auto da Compadecida. Rio de Janeiro: Editora Agir, 1975.
TEIXEIRA DA SILVA, Francisco Carlos. Pecuária e formação do mercado interno no Brasil-colônia. Estudos Sociedade e Agricultura, 8, abril, 1997: 119-156.
VASCONCELOS, Ronaldo Ramos e TORRES, Wilson F. Impactos ambientais das atividades humanas na base de recursos naturais renováveis do semi-árido. Brasília, Áridas, 1994.
VILLAR DE AQUINO, Aécio. Aspectos Históricos e Sociais da Pecuária na Caatinga Paraibana. Coleção Mossoroense, 1987.
WILSON, Luis. Minha cidade, minha saudade: Rio Branco (Arcoverde) reminiscências. Recife: Editora Universitária/UFPE, 1972.
WILSON, Luis. Vila Bela, Os Pereira e outras histórias. Recife: Editora Universitária/UFPE, 1974.