Ainda sobre as secas: discursos e imagens

Conteúdo Principal do Artigo

Flávio José Rocha da Silva

Resumo




Este artigo busca refletir como as imagens e os discursos sobre as secas ajudaram a alicerçar as estruturas de desigualdades socioeconômicas para muitos em benefício de poucos. Para muitos brasileiros, as secas seriam as grandes somas gastas em açudes e barragens, incentivos fiscais a empresas que se instalam no Nordeste e para o perdão de dívidas junto aos bancos estatais para grandes e médios proprietários. Pa- ra ela, por ela e com ela são respaldadas todas as grandes obras para que os nordestinos dela não sejam mais vítimas, como o atual projeto de transposição das águas do Rio São Francisco




Detalhes do artigo

Como Citar
Rocha da Silva, F. J. (2017). Ainda sobre as secas:. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 37(1), 118-128. https://doi.org/10.37370/raizes.2017.v37.55
Seção
Artigos

Referências

ALBUQUERQUE JR., D. M. A invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 1999.
ALVES, J. Seca dos séculos XVII e XVIII. Revista Conviver Nordeste Semi-Árido. Fortaleza, v. 1, n. 4, out-dez. 2004.
ANDRADE, M. C. A terra e o homem no Nordeste. São Paulo: Brasiliense, 1964.
CARVALHO, O.; CARVALHO, O. Políticas anti-seca e irrigação. Revista Conviver Nordeste Semi-Árido. v. 1, n. 4, out./dez. 2004.
________. As secas e seus impactos. In: CENTRO DE GESTÃO EESTUDOS E ESTRATÉGICOS;
AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. A questão da água no Nordeste. Brasília: CGEE, 2012, p. 45-100. CASTRO, I. E. O mito da necessidade: discurso e prática do regionalismo nordestino. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1992.
COHN, A. Crise Regional e Planejamento (o processo de criação da SUDENE). São Paulo: Perspectiva, 1978.
CUNHA. E. Os Sertões: campanha de Canudos. São Paulo: Nova Cultural, 1992.
DUQUE, J. G. Perspectivas nordestinas: obras póstumas. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 1982. GARCIA, C. O que é Nordeste brasileiro? São Paulo: Brasiliense, 1984.
GUEDES, C. C. Culinária com broto de palma. Campinas: Editora Autores Associados, 2002. GUERRA, P. B. A civilização da seca. Fortaleza: DNOCS, 1981.
KURY, L. A Comissão Científica de Exploração (1859-1961). Revista Conviver Nordeste Semi-Árido. Fortaleza, v. 1, n. 4, out./dez. 2004.
MALVEZZI, R. Semi-Árido – uma visão holística. Brasília: Confea. Coleção Pensar Brasil. 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2015.
MEDEIROS FILHO, J.; SOUZA, I. A seca do Nordeste: um falso problema. Petrópolis: Vozes, 1988. MEIRELLES, D. A noite das grandes fogueiras: uma história da Coluna Prestes. Record: Rio de Janeiro, 1995.
MELLO, F. P. Guerreiros do sol: violência e banditismo no Nordeste do Brasil. São Paulo: Girafa, 2011.
MELO NETO, J. C. Poesias Completas (1945-1965). Rio de Janeiro: Sabiá, 1968.
OLIVEIRA, F. Elegia para uma Re(li)gião: SUDENE, Nordeste, planejamento e conflito de classes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.
PATROCÍNIO, J. Os retirantes. São Paulo: Editora Três, 1973.
QUEIROZ, R. O Quinze (Três Romances). Rio de Janeiro: José Olímpio, 1948.
RIBEIRO, M. B. D. A potencialidade do Semi-Árido Brasileiro. Brasília: Qualidade, 2007.
SILVA, R. M. A. Entre o combate à seca e a convivência com o Semi-Árido: transições paradigmáticas e sustentabilidade do desenvolvimento. Fortaleza: Série BNB de Teses e Dissertações. 2008.
TORRES, A. Essa Terra. Rio de Janeiro: Record, 2001.
VILLA, M. A. Vida e morte no sertão: histórias das secas no Nordeste nos séculos XIX e XX. São Pau-
lo: Editora Ática, 2001.

MUSICOGRAFIA
A Força que Nunca Seca (Chico Cesar/Vanessa da Mata, 1999)
Asa Branca, toada. (Luiz Gonzaga/H. Teixeira, 1947).
A Triste Partida, toada (Patativa do Assaré, 1964) Carcará (João do Vale/José Cândido, 1963). Nordeste Já (Vários, 1985).
Nos Becos da Vida (Silvio Brito, 1984).
Pobres Flagelados (Eduardo das Neves, 1915).